Túmulo de D. Dinis está em limpezas

A Direção Geral do Património Cultural (DGPC), a Câmara Municipal de Odivelas e Colégio Militar estão a restaurar o túmulo de D. Dinis, no Mosteiro de Odivelas.

"A DGPC está a promover uma ação de limpeza e consolidação de dois túmulos existentes no Mosteiro de S. Dinis de Odivelas - o túmulo de D. Dinis e o túmulo do Infante D. Dinis", informou hoje aquela entidade. Os trabalhos de conservação começaram a 23 de novembro e têm um prazo de execução de 30 dias.

D. Dinis morreu em 7 de Janeiro de 1325, em Santarém. "Para que se cumprisse a disposição do último testamento datado de 1322, onde o monarca expressava a intenção de ser tumulado no mosteiro de Odivelas que fundara anos antes, em 1295, "antre o coro e a ousia maior", o corpo do monarca terá sido embalsamado, envolto num pano brocado e posto num ataúde. O cortejo fúnebre percorreu a planície ribatejana ao som do repique dos sinos das igrejas e mosteiros das povoações por onde passavam. No Mosteiro de Odivelas esperavam-no o Cabido da Sé, as Ordens, a Câmara da cidade e 80 monjas da comunidade cisterciense, com tochas acesas", refere a DGPC.

Restauro demora cerca de um mês

"O túmulo sofreu, ao longo dos tempos, várias alterações e transformações na sua forma, provocadas quer por causas naturais, como o terramoto de 1755, quer por outras que se prendem com a ação humana. As diversas trasladações e os sucessivos restauros realizados nos séculos XIX e XX terão contribuído também, e paradoxalmente, para a sua deterioração, chegando aos nossos tempos com uma imagem desvirtuada e extremamente desvalorizada", explicita o comunicado.

As obras de limpeza e restauro estão a cargo da empresa K4, gestão de Património, Lda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.