Túmulo de D. Dinis está em limpezas

A Direção Geral do Património Cultural (DGPC), a Câmara Municipal de Odivelas e Colégio Militar estão a restaurar o túmulo de D. Dinis, no Mosteiro de Odivelas.

"A DGPC está a promover uma ação de limpeza e consolidação de dois túmulos existentes no Mosteiro de S. Dinis de Odivelas - o túmulo de D. Dinis e o túmulo do Infante D. Dinis", informou hoje aquela entidade. Os trabalhos de conservação começaram a 23 de novembro e têm um prazo de execução de 30 dias.

D. Dinis morreu em 7 de Janeiro de 1325, em Santarém. "Para que se cumprisse a disposição do último testamento datado de 1322, onde o monarca expressava a intenção de ser tumulado no mosteiro de Odivelas que fundara anos antes, em 1295, "antre o coro e a ousia maior", o corpo do monarca terá sido embalsamado, envolto num pano brocado e posto num ataúde. O cortejo fúnebre percorreu a planície ribatejana ao som do repique dos sinos das igrejas e mosteiros das povoações por onde passavam. No Mosteiro de Odivelas esperavam-no o Cabido da Sé, as Ordens, a Câmara da cidade e 80 monjas da comunidade cisterciense, com tochas acesas", refere a DGPC.

Restauro demora cerca de um mês

"O túmulo sofreu, ao longo dos tempos, várias alterações e transformações na sua forma, provocadas quer por causas naturais, como o terramoto de 1755, quer por outras que se prendem com a ação humana. As diversas trasladações e os sucessivos restauros realizados nos séculos XIX e XX terão contribuído também, e paradoxalmente, para a sua deterioração, chegando aos nossos tempos com uma imagem desvirtuada e extremamente desvalorizada", explicita o comunicado.

As obras de limpeza e restauro estão a cargo da empresa K4, gestão de Património, Lda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.