Tudo o que é cultura pop a caminho da Exponor

Comic Con: o festival de Matosinhos já cativa público nos EUA e na Nova Zelândia

Banda desenhada, cinema, séries televisivas, videojogos, a arte do cosplay, em que fãs se vestem e pintam como os seus heróis de comics e anime preferidos... A loucura do maior evento nacional de cultura pop está de regresso à Exponor, em Matosinhos, entre sexta-feira e domingo.

A segunda edição do Comic Con Portugal quer superar os 30 mil visitantes do ano passado e terá desde logo um espaço de exposição ainda maior, aumentando de 35 mil para 45 mil metros quadrados, como explicou Paulo Cardoso, diretor-geral do evento, ontem, no Porto.

"O objetivo neste ano é aumentar o número de visitantes mas também as atividades, de modo a termos ofertas para os diferentes públicos e proporcionar experiências capazes de surpreender o público a cada instante. Temos um aumento considerável da área de gaming e do auditório principal, que passa a ter capacidade para 2500 pessoas (...) Neste ano é mais fácil captar parceiros porque já não temos de explicar o que é a Comic Con. Existe uma ideia da dimensão do evento e do investimento astronómico que representa, algo que nem quero revelar", explicou Paulo Cardoso, salientando que da parte da organização a ideia passa por fazer crescer o evento a cada ano com o objetivo de "ter já em 2018 um dos maiores eventos de cultura pop a nível europeu": "Queremos chegar aos 100 mil visitantes e atingir a capacidade máxima do recinto. Se isso for possível, faremos do Comic Com Portugal um evento relevante a nível internacional, capaz de se tornar ainda mais apetecível para a indústria."

Veja aqui todo o programa

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?