"Tudo isto é fado!" de Nuno Saraiva eleito melhor álbum de BD no Amadora BD

"Revisão - Bandas Desenhadas dos Anos 70", uma coletânea de BD portuguesa, e "V de Vingança", de Alan Moore e David Lloyd, venceram, ex-aequo, o prémio de melhor clássico da nona arte.

Tudo isto é fado! apresenta curtas narrativas de BD que Nuno Saraiva publicou no semanário Sol e que revelam histórias, personagens e personalidades do universo do fado, de Amália Rodrigues a Alfredo Marceneiro.

Nuno Saraiva, nascido em Lisboa em 1969, já tinha sido distinguido pelo AmadoraBD em edições anteriores, nomeadamente com o livro "Filosofia de Ponta", feita em conjunto com Júlio Pinto.

"Tudo isto é fado!", de Nuno Saraiva

Os Prémios Nacionais de Banda Desenhada, hoje entregues nos Recreios da Amadora, distinguiram ainda outros autores e obras em várias categorias.

Mário Freitas, autor, fundador e editor da Kingpin Books, venceu o prémio de melhor argumento para álbum português com Fósseis das almas belas, que tem desenho de Sérgio Marques.

João Sequeira venceu o prémio de melhor desenho para álbum português de banda desenhada com Tormenta, escrito pelo argumentista André Oliveira.

Entre outros prémios, destaque para a atribuição do prémio de melhor álbum de autor estrangeiro para o espanhol Miguelanxo Prado, com o livro Presas Fáceis.

Revisão - Bandas Desenhadas dos Anos 70, uma coletânea de BD portuguesa, e V de Vingança, de Alan Moore e David Lloyd, venceram, ex-aequo, o prémio de melhor clássico da nona arte.

No campo da ilustração para a infância, Joana Estrela venceu o prémio de melhor desenho de livro português, com Mana, e a espanhola Ana Pez venceu na categoria estrangeira com O meu irmão invisível.

No próximo ano, cada uma destas obras premiadas será alvo de uma exposição no AmadoraBD.

O Festival AmadoraBD cumpre agora 27ª edição até 6 de novembro.

A lista completa das obras e autores premiados este ano no AmadoraBD:

Melhor Álbum Português: "Tudo Isto é Fado" - Nuno Saraiva (EGEAC e Museu do Fado).

Melhor Argumento para Álbum Português: Mário Freitas - "Fósseis das Almas Belas" (Kingpin Books).

Melhor Desenho para Álbum Português: João Sequeira - "Tormenta" (Polvo).

Melhor Álbum de Autor Português em Língua Estrangeira: Jorge Coelho - "Sleepy Hollow" (Boom!).

Melhor Álbum de Autor Estrangeiro: "Presas Fáceis" - Miguelanxo Prado (Levoir).

Melhor Álbum de Tiras Humorísticas: "Seu Nome Próprio... Maria! Seu Apelido, Lisboa!" - Henrique Magalhães (Polvo).

Melhor Desenhador Português de Livro de Ilustração: Joana Estrela - "Mana" (Planeta Tangerina)

Melhor Desenhador Estrangeiro de Livro de Ilustração: Ana Pez - "O Meu Irmão Invisível" (Orfeu Negro)

Prémio Clássicos da 9ª Arte: "Revisão - Bandas Desenhadas dos Anos 70" - coletânea de autores (Chili com Carne).

"V de Vingança" - Alan Moore e David Lloyd (Levoir).

Melhor Fanzine:

"Shock" - El Pepe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.