"Tudo isto é fado!" de Nuno Saraiva eleito melhor álbum de BD no Amadora BD

"Revisão - Bandas Desenhadas dos Anos 70", uma coletânea de BD portuguesa, e "V de Vingança", de Alan Moore e David Lloyd, venceram, ex-aequo, o prémio de melhor clássico da nona arte.

Tudo isto é fado! apresenta curtas narrativas de BD que Nuno Saraiva publicou no semanário Sol e que revelam histórias, personagens e personalidades do universo do fado, de Amália Rodrigues a Alfredo Marceneiro.

Nuno Saraiva, nascido em Lisboa em 1969, já tinha sido distinguido pelo AmadoraBD em edições anteriores, nomeadamente com o livro "Filosofia de Ponta", feita em conjunto com Júlio Pinto.

"Tudo isto é fado!", de Nuno Saraiva

Os Prémios Nacionais de Banda Desenhada, hoje entregues nos Recreios da Amadora, distinguiram ainda outros autores e obras em várias categorias.

Mário Freitas, autor, fundador e editor da Kingpin Books, venceu o prémio de melhor argumento para álbum português com Fósseis das almas belas, que tem desenho de Sérgio Marques.

João Sequeira venceu o prémio de melhor desenho para álbum português de banda desenhada com Tormenta, escrito pelo argumentista André Oliveira.

Entre outros prémios, destaque para a atribuição do prémio de melhor álbum de autor estrangeiro para o espanhol Miguelanxo Prado, com o livro Presas Fáceis.

Revisão - Bandas Desenhadas dos Anos 70, uma coletânea de BD portuguesa, e V de Vingança, de Alan Moore e David Lloyd, venceram, ex-aequo, o prémio de melhor clássico da nona arte.

No campo da ilustração para a infância, Joana Estrela venceu o prémio de melhor desenho de livro português, com Mana, e a espanhola Ana Pez venceu na categoria estrangeira com O meu irmão invisível.

No próximo ano, cada uma destas obras premiadas será alvo de uma exposição no AmadoraBD.

O Festival AmadoraBD cumpre agora 27ª edição até 6 de novembro.

A lista completa das obras e autores premiados este ano no AmadoraBD:

Melhor Álbum Português: "Tudo Isto é Fado" - Nuno Saraiva (EGEAC e Museu do Fado).

Melhor Argumento para Álbum Português: Mário Freitas - "Fósseis das Almas Belas" (Kingpin Books).

Melhor Desenho para Álbum Português: João Sequeira - "Tormenta" (Polvo).

Melhor Álbum de Autor Português em Língua Estrangeira: Jorge Coelho - "Sleepy Hollow" (Boom!).

Melhor Álbum de Autor Estrangeiro: "Presas Fáceis" - Miguelanxo Prado (Levoir).

Melhor Álbum de Tiras Humorísticas: "Seu Nome Próprio... Maria! Seu Apelido, Lisboa!" - Henrique Magalhães (Polvo).

Melhor Desenhador Português de Livro de Ilustração: Joana Estrela - "Mana" (Planeta Tangerina)

Melhor Desenhador Estrangeiro de Livro de Ilustração: Ana Pez - "O Meu Irmão Invisível" (Orfeu Negro)

Prémio Clássicos da 9ª Arte: "Revisão - Bandas Desenhadas dos Anos 70" - coletânea de autores (Chili com Carne).

"V de Vingança" - Alan Moore e David Lloyd (Levoir).

Melhor Fanzine:

"Shock" - El Pepe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.