Trinta anos depois, Jim Del Monaco ainda mexe

No primeiro dia do Amadora BD a maior fila foi para os autógrafos dos autores Luís Louro e António Simões, que se espantaram com o sucesso do herói trintão

Conseguir alguns minutos de conversa com Luís Louro e António Simões, criadores de Jim del Monaco, foi tarefa árdua, ontem, primeiro dia do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora. Durante duas horas não pararam de assinar e desenhar o anti-herói que cumpre 30 anos e desde 1993 não saía da gaveta.

Luís Louro e António Simões - Tozé - decidiram resgatá-lo há um ano. Entre dezembro e março quatro novas aventuras foram escritas e ilustradas, com uma ajuda das novas tecnologias. O estúdio onde os dois amigos de infância tinham criado Jim del Monaco foi substituído pela Cloud e pelo iMessenger, ao computador, onde desenvolveram as histórias de O Cemitério dos Elefantes, recém-chegado às livrarias. "Cada um de nós está a fazer o que tem de fazer e a dizer os mesmos disparates", explica António Simões, a quem cabe escrever a história da personagem.

O herói colonial chama-se Jim para ironizar com o Jim das Selvas e "é Del Monaco porque vimos passar um tipo com uma T-shirt que dizia Del Monaco", revela Luís Louro. O autor dedicou-se à fotografia - "um hobby que foi ganhando cada vez mais espaço", diz - e há oito anos que não pegava num lápis amarelo e preto, como o que empunhou ontem durante a tarde, para fazer os contornos de uma personagem que, foram descobrindo, nunca perdeu fãs. Entre eles, Rui Zink, que assina Del Monaco, no prefácio deste novo álbum (edição Asa), em que se acrescentaram curiosidades e capas das outras edições da personagem, nascida nas páginas do suplemento Tabloide, do Diário Popular - começou no dia 12 de outubro de 1985.

"A personagem tinha um alcance que não supunha", afirma António Simões, gestor empresarial desde que deixou a banda desenhada. É para continuar? "Com estas manifestações? Acho que sim", responde, sem hesitar.

A personagem [Jim del Monaco

Além da sessão de autógrafos, Luís Louro e António Simões têm uma exposição das pranchas do novo álbum no festival de banda desenhada e fazem uma visita guiada no próximo sábado, dia 31, às 15.00.

O primeiro dia do festival foi também o último para as 15 pessoas que participaram no projeto Entre Margens, que ligou, pelo desenho, a Casa da Cerca, a Bedeteca da Amadora e o Fórum Luís de Camões, na Brandoa. Durante cinco semanas, todos os sábados, com a supervisão do ilustrador Nuno Saraiva, criaram cadernos de viagem.

Sentados frente a uma parede com desenhos pendurados dedicavam-se a um último exercício "narcísico", segundo Nuno Saraiva, de desenharem os seus próprios desenhos. O próximo passo será voltar ao ponto de partida, a Casa da Cerca, com uma exposição coletiva destes desenhos e dos seus distintos autores.

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.