Três edifícios portugueses na corrida a Edifício do Ano da ArchDaily

A sede da GS1 Portugal, do ateliê PROMONTORIO, a Faculdade de Arquitetura de Tournai, na Bélgica, assinada pelo ateliê Aires Mateus, e a Adega Herdade do Freixo, de Frederico Valsassina Arquitectos

O anual prémio da plataforma ArchDaily, dedicada à arquitetura contemporânea, já tem os seus finalistas apurados, e as votações estão abertas ao público, que deverá escolher um vencedor para as 15 categorias até à próxima quarta-feira, dia 7. No dia seguinte serão conhecidos os vencedores.

Há três portugueses na edição 2018 do prémio Edifício do Ano. O ateliê PROMONTORIO, que projetou a nova sede da GS1 Portugal é uma das finalistas da categoria Escritórios.

Aires Mateus, o ateliê dos irmãos Francisco e Manuel Aires Mateus (o último foi este ano galardoado com o Prémio Pessoa), foi selecionado na categoria de educação, pelo edifício que fizeram para a Faculdade de Arquitetura de Tournai, na Bélgica.

Nos finalistas da categoria arquitetura industrial figura o ateliê Frederico Valsassina Arquitectos com a Adega Herdade do Freixo.

No ano passado o terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, de Luís Pedro Silva, venceu na categoria de arquitetura pública este prémio da ArchDaily, plataforma criada em 2008 e com base em Nova Iorque, que abre ao público a votação para este galardão. Cada pessoa pode votar uma vez em cada categoria, entre elas desporto, habitação, arquitetura interior, pública, ou cultural.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).