Três artistas vão mostrar a coleção do Novo Banco

Pauliana Valente Pimentel inicia o ciclo de conversas e visitas guiadas ao acervo

A fotógrafa Pauliana Valente Pimentel abre hoje, pelas 18.30, o primeiro ciclo de conversas e visitas à coleção de fotografia do Novo Banco, guiando os olhares interessados pelas gigantescas gavetas verticais em que as quase mil obras se encontram armazenadas, no Espaço Novo Banco, na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa. Até ao final de dezembro, o ciclo contará ainda com a presença de João Paulo Serafim e Valter Vinagre.

"A ideia é dinamizar e mostrar ao público em geral o acervo e as minhas obras que aqui estão. E também falar na primeira pessoa das nossas experiências, dos trabalhos. Para que as pessoas possam contactar com a obra em si mas também possam saber um pouco da história por trás de cada uma". A explicação surge rápida e simples pelas palavras de Pauliana Valente Pimentel. Nomeada este ano para o Prémio Novo Banco Photo, a conversa com a artista começará mais logo pela exposição Quel Pedra, nome crioulo para "Aquela Pedra", que já esteve no Museu Berardo, mas que aqui ganha nova vida.

É a própria Pauliana quem, depois de olhar para a maquete do local e para as paredes disponíveis, desenha a apresentação desta série de fotografias feita a dois tempos na ilha de São Vicente, em Cabo Verde. "As peças podem viver de uma forma diferente consoante o espaço. Tento criar uma narrativa por sensação. Achei que era importante, ao descer [a escada de acesso ao piso -1] as pessoas serem logo confrontadas com o sítio onde se está [e aponta para a imagem que mostra o seco e castanho que é São Vicente]. Depois temos uma personagem que percebemos que é um rapaz mas que está maquilhado - abre-se um pouco o jogo sobre o que vem a seguir, mas fica ainda o mistério", conta. Um trabalho sobre transgénero, para descobrir, tal como outras obras suas que entraram na coleção pela mão da curadora Alexandra Pinho, e que irá mostrar no fresquinho dos 18 graus em que estão conservadas.

Aí a artista vai mostrar, por exemplo, um tríptico de 3 mx80cm, parte de um trabalho que propôs à Fundação Calouste Gulbenkian. Caucase, Souvenirs de Voyages é o resultado de uma viagem feita em 2009, com a fotógrafa Sandra Rocha, para recriar a memória visual do itinerário percorrido por Calouste Gulbenkian na viagem que realizou, em jovem, pela região do Cáucaso, e que deu origem ao livro La Transcaucasie et la Péninsule D"Apchéron - Souvenirs de Voyage, publicado em 1891. E falar também da sua preferência pelo médio formato, em película, viajando com os rolos contados, um de doze fotografias para usar por dia. Ou outras histórias que surjam na conversa...

Quel Pedra

De Pauliana Valente Pimentel

Espaço Novo Banco, Praça Marquês de Pombal, 3, Lisboa

De 2.ª a 6.ª das 9.00 às 19.00

Até 23 de novembro. Entrada gratuita

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.