Três artistas vão mostrar a coleção do Novo Banco

Pauliana Valente Pimentel inicia o ciclo de conversas e visitas guiadas ao acervo

A fotógrafa Pauliana Valente Pimentel abre hoje, pelas 18.30, o primeiro ciclo de conversas e visitas à coleção de fotografia do Novo Banco, guiando os olhares interessados pelas gigantescas gavetas verticais em que as quase mil obras se encontram armazenadas, no Espaço Novo Banco, na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa. Até ao final de dezembro, o ciclo contará ainda com a presença de João Paulo Serafim e Valter Vinagre.

"A ideia é dinamizar e mostrar ao público em geral o acervo e as minhas obras que aqui estão. E também falar na primeira pessoa das nossas experiências, dos trabalhos. Para que as pessoas possam contactar com a obra em si mas também possam saber um pouco da história por trás de cada uma". A explicação surge rápida e simples pelas palavras de Pauliana Valente Pimentel. Nomeada este ano para o Prémio Novo Banco Photo, a conversa com a artista começará mais logo pela exposição Quel Pedra, nome crioulo para "Aquela Pedra", que já esteve no Museu Berardo, mas que aqui ganha nova vida.

É a própria Pauliana quem, depois de olhar para a maquete do local e para as paredes disponíveis, desenha a apresentação desta série de fotografias feita a dois tempos na ilha de São Vicente, em Cabo Verde. "As peças podem viver de uma forma diferente consoante o espaço. Tento criar uma narrativa por sensação. Achei que era importante, ao descer [a escada de acesso ao piso -1] as pessoas serem logo confrontadas com o sítio onde se está [e aponta para a imagem que mostra o seco e castanho que é São Vicente]. Depois temos uma personagem que percebemos que é um rapaz mas que está maquilhado - abre-se um pouco o jogo sobre o que vem a seguir, mas fica ainda o mistério", conta. Um trabalho sobre transgénero, para descobrir, tal como outras obras suas que entraram na coleção pela mão da curadora Alexandra Pinho, e que irá mostrar no fresquinho dos 18 graus em que estão conservadas.

Aí a artista vai mostrar, por exemplo, um tríptico de 3 mx80cm, parte de um trabalho que propôs à Fundação Calouste Gulbenkian. Caucase, Souvenirs de Voyages é o resultado de uma viagem feita em 2009, com a fotógrafa Sandra Rocha, para recriar a memória visual do itinerário percorrido por Calouste Gulbenkian na viagem que realizou, em jovem, pela região do Cáucaso, e que deu origem ao livro La Transcaucasie et la Péninsule D"Apchéron - Souvenirs de Voyage, publicado em 1891. E falar também da sua preferência pelo médio formato, em película, viajando com os rolos contados, um de doze fotografias para usar por dia. Ou outras histórias que surjam na conversa...

Quel Pedra

De Pauliana Valente Pimentel

Espaço Novo Banco, Praça Marquês de Pombal, 3, Lisboa

De 2.ª a 6.ª das 9.00 às 19.00

Até 23 de novembro. Entrada gratuita

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.