Torre de Belém reabre amanhã

Fechada desde 28 de fevereiro devido às condições climatéricas, a Torre de Belém reabre amanhã, terça-feira, anunciou hoje a Direção-Geral do Património Cultural.

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) anunciou hoje que a Torre de Belém, em Lisboa, reabre ao público amanhã, terça-feira, dia 13 de março.

"O monumento manteve-se encerrado desde 28 de fevereiro, por razões de segurança, devido às condições climáticas adversas registadas desde então. Reabre amanhã, terça-feira, uma vez que hoje, segunda-feira, é o dia de encerramento semanal", refere o comunicado enviado às redações.

A Torre de Belém estava encerrada desde 28 de fevereiro, "por questões de segurança", referiu a DGPC na semana passada, situação provocada pela condições do estado do tempo e do mar. "A sua reabertura ocorrerá assim que as autoridades competentes levantarem os alertas relacionados com a intempérie", apontava o comunicado então divulgado

No ano passado, a Torre de Belém registou 575 875 visitantes, menos 16% do que em 2016, devido à introdução de uma política de limitação de entradas, por questões de segurança.

Construída no século XVI como torre de defesa da barra do Tejo - a partir da ocupação Filipina os antigos paióis deram lugar a masmorras -, tornou-se, ao longo do tempo, um dos ícones da imagem arquitetónica histórica da capital.

Está classificada como património nacional desde 1907, e Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), desde 1983, no conjunto arquitetónico que integra igualmente o Mosteiro dos Jerónimos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.