Tom Holland: quem é o novo Homem-Aranha?

Depois de Tobey Maguire e Andrew Garfield, é a vez do jovem Tom Holland se fazer às paredes em "Homem-Aranha: Regresso a Casa".

Quando o nome de Tom Holland foi anunciado para substituir Andrew Garfield na pele do aracnídeo mais famoso do cinema, as reações não foram unânimes. Houve quem o achasse demasiado jovem para o papel, mas houve também quem defendesse convictamente a opção de casting, como Chris Hemsworth e o realizador Ron Howard, ambos testemunhas do seu empenho, talento e destreza física durante a rodagem de No Coração do Mar (2015). De facto, tendo sido escolhido ainda com 19 anos, e neste momento com 21, este é o mais novo dos Homens-Aranhas (Tobey Maguire tinha 27 na primeira vez que interpretou a personagem, e Garfield 29). Mas, no caso do filme que chega amanhã às nossas salas, essa era mesmo uma exigência, dado que este Homem-Aranha é... um adolescente de 15 anos.

Nas declarações que fez perante o ceticismo de alguns fãs, Holland sublinhou a especial motivação de provar que está à altura da responsabilidade. E depois de vermos Homem-Aranha: Regresso a Casa, de Jon Watts, o mínimo que se pode dizer da sua prestação é que tem um charme humorístico à espreita, num argumento que não lhe dá oportunidades nem diálogos para o revelar plenamente. Este é um Peter Parker em ebulição, com o entusiasmo bem marcado no rosto, e aqui num esforço para conciliar a vida de super-herói (à escala do bairro) com os estudos e assuntos do coração.

Depois de ter dado o ar de sua graça em Capitão América: Guerra Civil, Tom Holland assume desta forma um novo registo dentro do seu currículo, que, tal como aconteceu com os atores precedentes, terá duração limitada pelo requisito de juventude da personagem.

Mas de onde vem Holland? O ator inglês estreou-se no grande ecrã com 16 anos, ao lado de Naomi Watts e Ewan McGregor, no filme O Impossível (2012), de J.A. Bayona. Tendo passado também pelo musical ao vivo de Billy Elliot (que lhe reitera a competência física para o novo desafio), e pela já referida grande produção de Ron Howard, No Coração do Mar, além de um muito apreciável desempenho, ainda que curto, no recente A Cidade Perdida de Z, de James Gray, importa olhar para o modo como o Homem-Aranha poderá mexer com o seu percurso.

Pensemos em Tobey Maguire, cuja popularidade disparou depois de vestir o fato vermelho e azul, em 2002, e que hoje pouco se deixa ver. Destacam-se alguns títulos em que participou posteriormente, como O Bom Alemão (2006), de Soderbergh, Entre Irmãos (2009), de Jim Sheridan, e O Prodígio (2014), este último interpretando o campeão mundial de xadrez Bobby Fischer. São todos eles papéis que construíram novos sinais de maturidade, mas sem grande eco.

O mesmo não aconteceu com Andrew Garfield, que terminada a sua passagem pelo universo Marvel, nos dois filmes O Fantástico Homem-Aranha (2012/2014), mostrou-se disponível para outros céus. Se com 99 Casas, que fez logo depois, surpreendeu pela segurança da sua performance dramática, com O Herói de Hacksaw Ridge, de Mel Gibson - pelo qual teve a primeira nomeação ao Óscar -, e O Silêncio, de Scorsese, então é que não restaram dúvidas...

E Tom Holland, que futuro será o dele? A julgar pela inteligência da sua postura, esse carisma que se vislumbra tanto num filme de Gray como num blockbuster é de se ter esperança que depois do Homem-Aranha lhe seja dada a oportunidade de cair nas teias certas. Entretanto, suba as paredes.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.