Lav Diaz vence Leão de Ouro

O realizador filipino venceu com o filme "The Woman Who Left". Os prémios da 73.ª edição do festival foram entregues na habitual cerimónia, que decorreu neste sábado

Lav Diaz, realizador filipino de 57 anos, venceu o Leão de Ouro, o maior galardão do Festival de Cinema de Veneza com o filme Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left).

Norte, the End of History foi selecionado em 2013 para a secção Un Certain Regard do Festival de Cinema de Cannes. No ano seguinte receberia o Leopardo de Ouro, no Festival de Cinema de Locarno, com o filme From What is Before.

The Woman Who Left tem uma duração de quatro horas, menos cinco do que tinha o filme com que Diaz se estreou em Veneza em 2007, na secção Horizontes: Death in the Land of Encantos, obra que lhe valeu uma menção honrosa do júri.

O júri da competição principal da 73.ª edição do festival foi presidido pelo realizador Sam Mendes, ao qual de juntaram Laurie Anderson, Gemma Arterton, Giancarlo De Cataldo, Nina Hoss, Chiara Mastroianni, Joshua Oppenheimer, Lorenzo Vigas e Zhao Wei.

Veja o palmarés da 73.ª edição do Festival de Cinema de Veneza.

Leão de Ouro para melhor filme:

Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left), de Lav Diaz

Grande prémio do júri (Leão de Prata):

Nocturnal Animals, de Tom Ford

Leão de Prata para melhor realizador (ex-aequo):

Amat Escalante, pela longa-metragem La región salvaje (The Untamed)

Andrei Konchalovsky, pela longa-metragem Paradise

Grande Prémio Especial do Júri

The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour


Coppa Volpi para Melhor Ator

Oscar Martínez, em El Ciudadano Ilustre (The Distinguished Citizen), de Mariano Cohn e Gastón Duprat

Coppa Volpi para Melhor Atriz

Emma Stone, em La La Land, de Damien Chazelle

Melhor Argumento

Noah Oppenheim, pelo trabalho em Jackie, de Pablo Larraín

Leão do Futuro

Premio Opera Prima Luigi de Laurentiis

Akher Wahad Fina (The Last of Us), do tunisino Ala Eddine Slim

Júri presidido por Kim Rossi Stuart

Prémio Marcelo Mastroianni (Melhor Novo Ator ou Atriz)

Paula Beer, em Frantz, de François Ozon

Prémio Orizzonti para Melhor Filme

Liberami, de Federica Di Giacomo

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti - Prémio especial do júri

Koca Dünya (Big Big World), de Reha Erdem

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Realização

Fien, por Home

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Ator

Nuno Lopes, em São Jorge de Marco Martins

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Atriz

Ruth Díaz, em Tarde para la Ira (the Fury os a Patient Man), de Raúl Arévalo

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)