Lav Diaz vence Leão de Ouro

O realizador filipino venceu com o filme "The Woman Who Left". Os prémios da 73.ª edição do festival foram entregues na habitual cerimónia, que decorreu neste sábado

Lav Diaz, realizador filipino de 57 anos, venceu o Leão de Ouro, o maior galardão do Festival de Cinema de Veneza com o filme Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left).

Norte, the End of History foi selecionado em 2013 para a secção Un Certain Regard do Festival de Cinema de Cannes. No ano seguinte receberia o Leopardo de Ouro, no Festival de Cinema de Locarno, com o filme From What is Before.

The Woman Who Left tem uma duração de quatro horas, menos cinco do que tinha o filme com que Diaz se estreou em Veneza em 2007, na secção Horizontes: Death in the Land of Encantos, obra que lhe valeu uma menção honrosa do júri.

O júri da competição principal da 73.ª edição do festival foi presidido pelo realizador Sam Mendes, ao qual de juntaram Laurie Anderson, Gemma Arterton, Giancarlo De Cataldo, Nina Hoss, Chiara Mastroianni, Joshua Oppenheimer, Lorenzo Vigas e Zhao Wei.

Veja o palmarés da 73.ª edição do Festival de Cinema de Veneza.

Leão de Ouro para melhor filme:

Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left), de Lav Diaz

Grande prémio do júri (Leão de Prata):

Nocturnal Animals, de Tom Ford

Leão de Prata para melhor realizador (ex-aequo):

Amat Escalante, pela longa-metragem La región salvaje (The Untamed)

Andrei Konchalovsky, pela longa-metragem Paradise

Grande Prémio Especial do Júri

The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour


Coppa Volpi para Melhor Ator

Oscar Martínez, em El Ciudadano Ilustre (The Distinguished Citizen), de Mariano Cohn e Gastón Duprat

Coppa Volpi para Melhor Atriz

Emma Stone, em La La Land, de Damien Chazelle

Melhor Argumento

Noah Oppenheim, pelo trabalho em Jackie, de Pablo Larraín

Leão do Futuro

Premio Opera Prima Luigi de Laurentiis

Akher Wahad Fina (The Last of Us), do tunisino Ala Eddine Slim

Júri presidido por Kim Rossi Stuart

Prémio Marcelo Mastroianni (Melhor Novo Ator ou Atriz)

Paula Beer, em Frantz, de François Ozon

Prémio Orizzonti para Melhor Filme

Liberami, de Federica Di Giacomo

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti - Prémio especial do júri

Koca Dünya (Big Big World), de Reha Erdem

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Realização

Fien, por Home

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Ator

Nuno Lopes, em São Jorge de Marco Martins

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Atriz

Ruth Díaz, em Tarde para la Ira (the Fury os a Patient Man), de Raúl Arévalo

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.