Lav Diaz vence Leão de Ouro

O realizador filipino venceu com o filme "The Woman Who Left". Os prémios da 73.ª edição do festival foram entregues na habitual cerimónia, que decorreu neste sábado

Lav Diaz, realizador filipino de 57 anos, venceu o Leão de Ouro, o maior galardão do Festival de Cinema de Veneza com o filme Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left).

Norte, the End of History foi selecionado em 2013 para a secção Un Certain Regard do Festival de Cinema de Cannes. No ano seguinte receberia o Leopardo de Ouro, no Festival de Cinema de Locarno, com o filme From What is Before.

The Woman Who Left tem uma duração de quatro horas, menos cinco do que tinha o filme com que Diaz se estreou em Veneza em 2007, na secção Horizontes: Death in the Land of Encantos, obra que lhe valeu uma menção honrosa do júri.

O júri da competição principal da 73.ª edição do festival foi presidido pelo realizador Sam Mendes, ao qual de juntaram Laurie Anderson, Gemma Arterton, Giancarlo De Cataldo, Nina Hoss, Chiara Mastroianni, Joshua Oppenheimer, Lorenzo Vigas e Zhao Wei.

Veja o palmarés da 73.ª edição do Festival de Cinema de Veneza.

Leão de Ouro para melhor filme:

Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left), de Lav Diaz

Grande prémio do júri (Leão de Prata):

Nocturnal Animals, de Tom Ford

Leão de Prata para melhor realizador (ex-aequo):

Amat Escalante, pela longa-metragem La región salvaje (The Untamed)

Andrei Konchalovsky, pela longa-metragem Paradise

Grande Prémio Especial do Júri

The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour


Coppa Volpi para Melhor Ator

Oscar Martínez, em El Ciudadano Ilustre (The Distinguished Citizen), de Mariano Cohn e Gastón Duprat

Coppa Volpi para Melhor Atriz

Emma Stone, em La La Land, de Damien Chazelle

Melhor Argumento

Noah Oppenheim, pelo trabalho em Jackie, de Pablo Larraín

Leão do Futuro

Premio Opera Prima Luigi de Laurentiis

Akher Wahad Fina (The Last of Us), do tunisino Ala Eddine Slim

Júri presidido por Kim Rossi Stuart

Prémio Marcelo Mastroianni (Melhor Novo Ator ou Atriz)

Paula Beer, em Frantz, de François Ozon

Prémio Orizzonti para Melhor Filme

Liberami, de Federica Di Giacomo

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti - Prémio especial do júri

Koca Dünya (Big Big World), de Reha Erdem

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Realização

Fien, por Home

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Ator

Nuno Lopes, em São Jorge de Marco Martins

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Prémio Orizzonti para Melhor Atriz

Ruth Díaz, em Tarde para la Ira (the Fury os a Patient Man), de Raúl Arévalo

Júri Presidido por Robert Guédiguian

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.