Todd Haynes propõe uma viagem pelos labirintos da memória

Adaptando um livro de Brian Selznick, Todd Haynes propõe uma fábula envolvente e encantatória centrada nas vivências de duas crianças surdas. Chega amanhã aos cinemas

Nascido em 1961, o americano Todd Haynes já nos habituou aos mais insólitos e sedutores ziguezagues criativos. Afinal de contas, a sua obra inclui objetos tão contrastados como Velvet Goldmine (1998), evocação do glam rock inspirada em David Bowie, e Carol (2015), belíssima história de amor próxima da estética dos melodramas da década de 1950, com Cate Blanchett e Rooney Mara. Mesmo assim, é com surpresa que acolhemos Wonderstruck - O Museu das Maravilhas (estreia--se amanhã), uma fábula juvenil que teve a sua estreia mundial no último Festival de Cannes.

A própria classificação de "fábula juvenil" é discutível, quanto mais não seja porque Haynes quis conservar no seu filme algo da dinâmica visual do livro em que se baseia, com o mesmo título, já editado no mercado português (com chancela da ASA). Não é, de facto, uma narrativa tradicional. O autor, Brian Selznick, apostou em explorar as possibilidades de um modelo que já experimentara em A Invenção de Hugo, também adaptado ao cinema, por Martin Scorsese, em 2011. Assim, esta história de duas crianças separadas por meio século (1927--1977) evolui através de uma permanente interação entre as palavras e as ilustrações, de tal modo que o livro tem nada mais nada menos do que 630 páginas.

Há em Wonderstruck um segredo recoberto pelas camadas do tempo, circulando pelos labirintos da memória. De modo a preservar a possibilidade de descoberta do espectador, digamos apenas que se vai estabelecer uma estranha cumplicidade entre a jovem Rose (Millicent Simmonds), a viver em Nova Iorque, na década de 1920, e um rapaz de nome Ben (Oakes Fegley), originário do Minnesota, nos anos 1970. Três elementos são essenciais no desenho dessa cumplicidade: em primeiro lugar, a atriz de teatro Lillian Mayhew (Julianne Moore, a trabalhar pela terceira vez sob a direção de Haynes), por quem Rose nutre um profundo fascínio; depois, o facto de Rose e Ben serem ambos surdos; finalmente, o fantástico edifício do Museu de História Natural, em Nova Iorque.

Uma sensualidade interior

É provável que Wonderstruck - O Museu das Maravilhas não seja o filme mais perfeito de Haynes, mas não há dúvida de que é um dos mais envolventes e encantatórios. Sobretudo porque a sua realização aposta na criação de uma ambiência de angustiado maravilhamento, em tudo e por tudo ligado à surdez dos seus jovens heróis. Dir-se-ia que se trata de criar um tempo narrativo em que todos os sons são sensuais e interiores - e tanto mais sensuais quanto mais interiores.

Para conseguir os seus objetivos, o realizador contou com dois fundamentais colaboradores, qualquer deles ligado a vários títulos da sua filmografia. Em primeiríssimo lugar, o diretor de fotografia Ed Lachman, aliás já com duas nomeações para os Óscares conseguidas com filmes de Haynes: Longe do Paraíso (2002) e Carol - as suas imagens estão marcadas por essa nostalgia de um tempo utópico, intimamente ligado aos anseios e ilusões da infância. Depois, o músico Carter Burwell, capaz de compor uma banda sonora reminiscente da pulsão romanesca do classicismo de Hollywood.

E não deixa de ser curioso sublinhar que, entre as entidades produtoras de Wonderstruck, surja o nome dos estúdios Amazon. Na prática, a atual produção americana está marcada por uma certa nostalgia dos modelos clássicos que, paradoxalmente, passou a manifestar-se nas margens dos estúdios tradicionais. Dito de outro modo: Todd Haynes continua a ser um genuíno independente.

Ler mais

Exclusivos