Todas as gerações unidas para celebrar a arte de McCartney

Mais de trinta músicos, de Bob Dylan a Billy Joel, passando por Jamie Cullum, Brian Wilson ou The Cure, juntaram-se para o maior tributo alguma vez feito ao fundador dos Beatles.

Foi há 50 anos que Bob Dylan se cruzou pela primeira vez com Paul McCartney, quando este ainda militava nos Beatles. Conheceram-se no Delmonico Hotel, em Manhattan, Nova Iorque, pouco depois dos fab four terem dado um concerto em Queens e, reza a lenda, foi nesse hotel que McCartney e os colegas de banda tiveram o primeiro contacto com marijuana, graças a Bob Dylan. Agora o cantautor norte-americano recupera uma canção que o Beatle compôs precisamente há 50 anos, Things We Said Today, para The Art of McCartney, tributo que junta mais de três dezenas de artistas a celebrar a obra do músico britânico.

Apesar desse primeiro encontro, e dos elogios que já teceram um ao outro, Bob Dylan e Paul McCartney nunca atuaram juntos nem se reuniram em estúdio. Há cinco anos surgiram alguns rumores de que os dois iriam colaborar num projeto conjunto, mas até hoje ainda não se concretizou. Aliás, na altura McCartney salientou que existe pouca probabilidade de virem a trabalhar juntos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

A burocracia hipster da CP

A finitude do tempo e a infinitude dos temas fazem difícil a escolha do que ensinar aos filhos, do que lhes falar. A isto soma-se, quando é o caso, a pluralidade destes e, em qualquer caso, os programas escolares como sanguessugas do tempo e dos temas. A cultura digital ilustra bem isto com a meme "mitochondria is the powerhouse of the cell". Esta frase é usada para ilustrar a inutilidade prática da aprendizagem no sistema escolar e ressurge ciclicamente na internet - até quando continuaremos a dizer na internet, como se as coisas pudessem ressurgir noutro lado qualquer - por exemplo, na altura dos impostos?

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.