'Thriller' de Michael Jackson continua a bater recordes

Foi lançado há mais de 30 anos, mas o álbum do cantor continua a vender, tendo voltado a ser muito procurado depois da morte do rei da pop em 2009

O álbum Thriller de Michael Jackson vendeu 30 milhões de cópias só nos EUA, desde que foi editado em 1982. A estes números há que somar os 100 milhões de discos vendidos no resto do mundo. Os dados foram confirmados pela associação da indústria musical nos EUA, o que faz de Michael Jackson o primeiro artista a receber 30 discos de platina naquele país.

John Branca, um dos administradores do património de Michael Jackson, disse, citado pela Sky News, que Thriller continua a ser referência que todos os álbuns são comparados. Salientou que o facto do álbum ter sido composto para agradar a uma vasta audiência, contribuiu para o grande sucesso. Após a morte do considerado rei da pop em junho de 2009, as vendas voltaram a aumentar.

Além do tema que deu nome ao álbum, Beat It e Billie Jean também se tornaram em músicas marcantes na carreira do cantor. O vídeo de Thriller não só revolucionou todo o mercado como ainda hoje é considerado um dos melhores de sempre.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.