Terceiro lugar na Eurovisão também é português

O pódio do Festival Eurovisão da Canção foi fechado pela Áustria, país que contou com uma participação portuguesa nos coros

Ricardo Soler, de 32 anos, é capaz de ser o português mais feliz desta Eurovisão. O cantor, que ficou conhecido depois de ter ficado em segundo lugar no concurso de talentos da RTP1 "Operação Triunfo 2007", cantou e encantou nesta final do Festival Eurovisão da Canção, que se realizou em Lisboa, no passado sábado. Mas não o fez por Portugal.

Apesar da representação nacional - Cláudia Pascoal e Isaura cantaram o tema "O Jardim" - ter ficado no último lugar da tabela, Ricardo Soler conseguiu que o nosso país estivesse presente no pódio do evento. O artista participou no coro do tema austríaco "Nobody but You", que ficou em terceiro lugar na competição.

O convite para fazer parte da comitiva austríaca surgiu diretamente da Eurovisão.

"Eu fiz parte da equipa que fez os ensaios gerais para o evento. Entretanto, a um mês da competição ainda havia delegações que não tinham as equipas completas. Pediram-me para cantar o refrão do tema da Áustria e enviaram para eles. Acabaram por me convidar para integrar os coros", recorda ao DN o cantor, que adianta ainda não estar "em si".

"Ainda estou um bocado atordoado. O mais complicado era chegar à final da Eurovisão, porque a primeira semifinal era muito forte. Depois disso tudo o que viesse era bónus. O terceiro lugar foi a recompensa pelo nosso trabalho".

Os parabéns às representantes portuguesas

Ricardo assistiu à votação na Green Room no sofá ao lado da comitiva portuguesa, à qual fez questão de dar os parabéns pela prestação no final do evento.

"Conheço a Isaura há muitos anos e gosto muito dela. Nem me apercebi da situação do último lugar. Dei-lhes os parabéns porque me senti bem representado, gostava da música e elas foram umas ótimas anfitriãs".

Recorde-se que Ricardo Soler, já tinha tentado a sua sorte a solo no Festival da Canção. Na edição de 2012 conseguiu o terceiro lugar da competição, enquanto em 2008 ficou pela quarta posição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?