Terceiro lugar na Eurovisão também é português

O pódio do Festival Eurovisão da Canção foi fechado pela Áustria, país que contou com uma participação portuguesa nos coros

Ricardo Soler, de 32 anos, é capaz de ser o português mais feliz desta Eurovisão. O cantor, que ficou conhecido depois de ter ficado em segundo lugar no concurso de talentos da RTP1 "Operação Triunfo 2007", cantou e encantou nesta final do Festival Eurovisão da Canção, que se realizou em Lisboa, no passado sábado. Mas não o fez por Portugal.

Apesar da representação nacional - Cláudia Pascoal e Isaura cantaram o tema "O Jardim" - ter ficado no último lugar da tabela, Ricardo Soler conseguiu que o nosso país estivesse presente no pódio do evento. O artista participou no coro do tema austríaco "Nobody but You", que ficou em terceiro lugar na competição.

O convite para fazer parte da comitiva austríaca surgiu diretamente da Eurovisão.

"Eu fiz parte da equipa que fez os ensaios gerais para o evento. Entretanto, a um mês da competição ainda havia delegações que não tinham as equipas completas. Pediram-me para cantar o refrão do tema da Áustria e enviaram para eles. Acabaram por me convidar para integrar os coros", recorda ao DN o cantor, que adianta ainda não estar "em si".

"Ainda estou um bocado atordoado. O mais complicado era chegar à final da Eurovisão, porque a primeira semifinal era muito forte. Depois disso tudo o que viesse era bónus. O terceiro lugar foi a recompensa pelo nosso trabalho".

Os parabéns às representantes portuguesas

Ricardo assistiu à votação na Green Room no sofá ao lado da comitiva portuguesa, à qual fez questão de dar os parabéns pela prestação no final do evento.

"Conheço a Isaura há muitos anos e gosto muito dela. Nem me apercebi da situação do último lugar. Dei-lhes os parabéns porque me senti bem representado, gostava da música e elas foram umas ótimas anfitriãs".

Recorde-se que Ricardo Soler, já tinha tentado a sua sorte a solo no Festival da Canção. Na edição de 2012 conseguiu o terceiro lugar da competição, enquanto em 2008 ficou pela quarta posição.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.