Tecnologia e cultura pop na Comic Con de Silicon Valley

Formato inédito: a intersecção de tecnologia, ciência e cultura pop numa convenção criada pelo cofundador da Apple.

Silicon Valley tem uma das maiores concentrações de aficionados de super-heróis e ficção científica, mas até agora nunca tinha organizado uma Comic Con. A primeira destas convenções de fãs de banda desenhada e cultura pop aconteceu neste fim de semana em São José e foi criada por um mito da indústria tecnológica: Steve Wozniak, o geek que fundou a Apple com Steve Jobs em 1976.

A cidade californiana assistiu à reunião épica do elenco original da saga Regresso ao Futuro, um debate entre o criador de Perdido em Marte e um cientista da NASA e painéis com William Shatner, o capitão Kirk de O Caminho das Estrelas, e Jeremy Renner, o Hawkeye de The Avengers. Houve cosplay, sessões de autógrafos, exposições e todos os colecionáveis que se possa imaginar. Esteve lá Stan Lee, o fundador da Marvel, e Nathan Fillion, conhecido por Castle e Firefly. Porque isto é Silicon Valley, falou-se de realidade virtual com a Oculus, inteligência artificial com a Google e a possibilidade de "desenhar" bebés com a manipulação do ADN. A convenção, que teve 30 mil participantes por dia, estreou um formato inédito na história das Comic Con.

O elenco original de Regresso ao Futuro contou peripécias das filmagens

"Queríamos uma convenção um pouco diferente das outras, e incorporámos muita ciência e tecnologia, além das celebridades", disse Steve Wozniak, que entrou vestido de Jedi e escoltado por Stormtroopers, numa homenagem a Star Wars. "The Woz", como é conhecido, ainda pregou uma partida quando o museu Madame Tussauds revelou em palco a primeira figura de cera do visionário - a cortina veio abaixo e Wozniak estava imóvel ao lado da sua réplica. Ao longe, não dava para perceber qual era o verdadeiro.

Em Los Angeles

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?