São Luiz acolhe a partir de hoje cultura pensada pelos cidadãos

O Teatro Municipal São Luiz (TMSL), em Lisboa, acolhe a partir de hoje, uma programação cultural desenhada pelos espectadores

Tudo começa às 18.00 de hoje. Depois, enquanto a seleção portuguesa disputa o seu primeiro jogo no Campeonato do Mundo, será lido o "Manifesto do Público" do teatro. E a seguir começam os espetáculos, workshops e conversas que dão de culminar no final da tarde domingo com um baile dançante com a Roda de Choro de Lisboa.

A programação, pensada pelos cidadãos, no culminar de um projeto de envolvimento com a comunidade que durou dois anos, tem por título "Os dias do público" e ocupará os vários espaços do teatro municipal, até domingo, com ensaios abertos, concertos, um baile dançante ou leituras encenadas. Quem passar por estes dias pelo São Luiz poderá ainda dormir ou mesmo tomar banho no teatro.

"A programação é da sua responsabilidade, foi pensada por eles, trabalhada com eles, diretamente com a equipa do teatro e para nós é um projeto muito importante", explicou a diretora artística do TMSL, Aida Tavares, num encontro com jornalistas, referindo que a iniciativa, que começou em 2016, poderá ter nova edição noutros moldes. "Os dias do público" são, então, a súmula de uma relação do teatro municipal com três grupos de cidadãos que acompanharam a vida interna da estrutura cultural ao longo de dois anos.

Segundo Alfredo Martins, um dos coordenadores do projeto, o objetivo foi aproximar um grupo alvo de pessoas que não tivessem uma "relação tão próxima com as instituições culturais e com as programações", mas que tivessem predisposição para o fazer. O trabalho de bastidores, de aproximação do teatro ao público aconteceu com dois grupos de adultos, um dos quais de mediadores, professores e educadores, e um terceiro grupo com crianças.

"Fomos acompanhando a programação do teatro em encontros quinzenais, para falarmos sobre a relação que tinham ou não tinham com o teatro. Levámo-los a ver ensaios, a conhecer o funcionamento do teatro, a conhecer as equipas", recordou o coordenador.

Na temporada 2017/2018 do TMSL, o foco do trabalho com esses grupos foi "pensar e olhar para a programação, como se faz para um espaço cultural". "Lançámos aos dois grupos adultos o desafio de pensarem uma pequena programação de três dias que resultou aqui nestes 'Os dias do público'", dissse Alfredo Martins.

Da programação, dos espectadores para os espectadores, fazem parte ensaios abertos da peça Cinderela, que Lígia Soares prepara para a estreia, na próxima terça-feira, leituras encenadas do texto Um inimigo do povo, de Ibsen, projeção de fotografias de Estelle Valente, que habitualmente colabora com o teatro, e visitas a espaços raramente acessíveis ao público.

A Rádio Aurora, o programa de rádio criado no contexto do Hospital Miguel Bombarda, andará pelo teatro a falar com o público, e para domingo estão marcados "Duetos improváveis", que estimulam a conversa entre duas pessoas com profissões diferentes.

Cerca de vinte espectadores (munidos de saco-cama) vão poder dormir no teatro, numa iniciativa que incluirá uma atuação da cantora Lula Pena e pequeno-almoço servido na manhã seguinte.

Destaque ainda para Atlas Lisboa, de Ana Borralho e João Galante, uma performance sobre trabalho, que reunirá em palco cem pessoas de profissões diferentes.

Com conceção e seleção musical de Teresa Gentil, hoje e sábado acontecerá oOpera show(er), que convida os espectadores a cantarem no banho, num dos camarins do teatro. No duche estará instalado um microfone, para que no exterior se oiça a atuação.

O público que colaborou neste projeto escreveu um manifesto, no qual se lê: "A ausência prolongada de contacto com as artes de espectáculo pode gerar reações adversas e perigosas como a abstinência da inquietação, da beleza, controvérsia e emoção".

Toda a programação "Os dias do público" está disponível na página oficial do Teatro Municipal São Luiz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)