Taylor Swift acusada de plágio

A cantora norte-americana arrisca pagar 38 milhões de euros devido a plágio em "Shake It Off".

O cantor Jesse Braham processou Taylor Swift, acusando-a de ter roubado parte da letra de Shake It Off a um tema que ele escreveu em 2013, intitulado Haters Gone Hate, incluído no seu disco Sexy Ladies. Para além da compensação monetária, Braham também quer que o seu nome apareça nos créditos da canção que integra o álbum 1989 e que, no ano passado, chegou ao primeiro lugar dos tops nos EUA, no Reino Unido e noutros países.

Apesar de não haver qualquer semelhança nas melodias dos dois temas, Braham, de 50 anos, encontrou bastantes pontos de contacto na letra. Na sua canção canta-se: "Haters gone hater, playas gone play/ Watch out for them fakers, they'll fake you everyday". E na música de Taylor Swift ouve-se: ""Cause the players gonna play, play, play, play, play/ And the haters gonna hate, hate, hate, hate, hate." E mais adiante: "And the fakers gonna fake, fake, fake, fake, fake."

"Se eu não tivesse escrito Haters Gone Hate, nunca haveria esta canção intitulada Shake It Off", acusa o músico de R&B. No entanto, como escreve o The Guardian, tendo em conta que o seu disco não teve muita projeção é muito pouco provável que Taylor Swift tenha ouvido o tema.

Braham diz que ao princípio não deu muita importância ao assunto, depois decidiu contactar a editora de Taylor Swift, Big Machine, pedindo para ser creditado como autor, ao lado de Taylor Swift, Max Martin e Shellback, e para tirar uma fotografia com a cantora. Mas após a recusa da editora decidiu avançar para tribunal e está agora a pedir uma indemnização de 18 milhões de euros.

Ouça os dois temas e compare:

Shake It Off:

Haters Gone Hate:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.