Subdiretora geral do património demite-se

Anabela Antunes Carvalho, subdiretora geral do Património Cultural, apresentou esta terça-feira a demissão, confirmou ao DN o organismo, que está ligado ao caso das obras de Joan Miró.

Anabela Antunes Carvalho terá alegado, na carta que fez chegar ao gabinete do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que não estão reunidas condições para permanecer no cargo, razão pela qual já tinha decidido anteriormente não se candidatar ao concurso para o lugar de subdiretora.

A demissão acontece no mesmo dia em que a Christie's decidiu cancelar o leilão das 85 obras de Juan Miró. A Direção Geral do Património está ligada ao caso, uma vez que emitiu pareceres acerca da intenção de alienação da coleção.

O organismo perde, assim, duas responsáveis, uma vez que Isabel Cordeiro deixou o cargo de diretora geral do património esta terça-feira, dia em que foi nomeado o sucessor. Isabel Cordeiro também não se recandidatara ao cargo por divergências profundas em relação às estratégias para o património.

Segundo fonte do organismo a demissão de Anabela Antunes Carvalho não terá a ver com o caso, mas antes com solidariedade para com Isabel Cordeiro, que a convidou para integrar a equipa.

O conservador Nuno Vassallo e Silva, ex- diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, foi nomeado diretor-geral do Património Cultural pela Secretaria de Estado da Cultura, na sequência do concurso público para cargos dirigentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.