Star Wars domina universo fantástico da Comic-Con

Termina hoje em Matosinhos o encontro de figuras da sétima, nona e outras artes. Bem caracterizados para estarem perto dos seus ídolos

Se chocar com os atores do quarteto da série televisiva A Teoria do Big Bang entre os milhares de participantes do Comic-Con, que está a decorrer até hoje na Exponor, não pense que está a delirar. Não, tudo o que é personagem de filme, série, livro ou banda desenhada está por ali. E como o Sheldon e companhia do Big Bang eram grandes adeptos destas convenções, bem que poderiam lá estar, para se cruzarem com os atores e autores que vem de várias partes do mundo para dar autógrafos, discursar ou desenhar.

Não estamos em Nova Iorque ou Londres mas em Matosinhos, e as ruas que vão dar à Exponor estão cheias de cosplays - vestidos como os seus heróis - desde sexta-feira. Se a Guerra das Estrelas domina o evento devido à proximidade da estreia do VII episódio da saga, com Darth Vader"s aos montes e tropas imperiais, não faltam outras figuras. Mas já lá vamos, antes ouve-se a Mariana, 18 anos, que é fã do Star Wars desde que os viu em vídeo. A continuação será a primeira vez em que vai ver no ecrã e isso causa-lhe algum receio: "Gostei do IV, V e VI episódios. Os três primeiros desiludiram-me e este espero que não me estrague as expectativas."

Mariana já tirou fotos com o trio de personagens da Guerra das Estrelas, que se destacam no pavilhão porque têm como cenário uma nave Tie-Fighter em tamanho real. Ao lado, podem-se atirar umas setas de borracha sobre vários figurantes dos filmes de George Lucas desde que se paguem poucos euros. Não é nada comercial, antes dinheiro para a solidariedade conforme explicam: "Somos uma organização internacional, a Legião 501, que está por todo o mundo." Em Portugal, a verba recolhida é para uma associação contra a leucemia.

Sara, Paulo e Ana vieram de Lisboa para participarem no Comic-Con e não estão desiludidos. Sara diz: "Experimentamos tudo em pouco tempo". Mas o que mais a deixa feliz é não ter que ouvir comentários pejorativos: "Quando nos vestimos como gostamos as pessoas dizem piadas na rua e até nos insultam. Aqui, estamos à vontade." O trio perde-se entre os milhares de visitantes que enchem o pavilhão de exclamações de surpresa quando se cruzam com uma cinquentona vestida como o Super Mário ou adolescentes que envergam fatos à Catwoman, Homem-Aranha, Thor, Hitman, Harley Queen, Sangoku... Mas é o cadeirão réplica do da Guerra dos Tronos que provoca mais filas. Não há ninguém que não se queira sentar e tirar uma fotografia ali sentado, mesmo que a suas vestimentas nada tenham a ver com a série de George R. R. Martin.

Busca pelo autógrafo

No pavilhão também há lugar para sessões de autógrafos. A maioria dos autores fá-lo de graça, para vender livros ou cartazes, como o japonês Tsuneo Sanda, que veio de Tóquio para alegria dos fãs portugueses do Star Wars. Autografa os cartazes que estão à venda no stand, com bastante procura, afinal o realizador da saga convidou-o a ir ao Rancho Skywalker e autorizou-o a fazer a arte que quisesse com as personagens.

E há mais estrelas. David Anthony Durham já assinou vários exemplares da saga Acácia (ler entrevista ao lado). John Noble, do Senhor dos Anéis e Fringe, faz-se pagar por cada autógrafo concedido e fotografia tirada.

Autores como o norte-americano Brian Azzarelo já deu autógrafos. Samantha Shannon vai dar e Miguelanxo Prado está a dar. O primeiro veio de Chicago de propósito e reservou o dia de hoje para conhecer o Porto. Mas nos dois primeiros dias, Azzarelo teve muita "procura", pois tem no currículo vários volumes de comics com os super-heróis Batman e Super-Homem. "São os únicos com dimensão universal", diz quem também fez vários argumentos para outras personagens míticas, como Wonder-Woman ou Dark Knight, este em parceria com Frank Miller.

A segunda, chega de Londres para divulgar o seu livro A Estação dos Ossos, uma autora que aos 15 anos escreveu um romance, rejeitado por todas as editoras. Samantha vingou-se quatro anos depois, quando criou uma personagem clarividente que habita em Londres no ano de 2059. O contrato de milhões foi assinado em 2012, para sete volumes, tais como os da saga Harry Potter de J.K. Rowling, de quem dizem ser a sucessora.

Histórias há muitas nesta Comic-Con, mas agora está na hora de ir ver o concurso de cosplay. Não faltam concorrentes! E logo depois, o karaoke com bandas coreanas, palco onde não faltam vozes e coreografias. E voltar a ouvir o arfar de Darth Vader uma última vez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.