Star Wars domina universo fantástico da Comic-Con

Termina hoje em Matosinhos o encontro de figuras da sétima, nona e outras artes. Bem caracterizados para estarem perto dos seus ídolos

Se chocar com os atores do quarteto da série televisiva A Teoria do Big Bang entre os milhares de participantes do Comic-Con, que está a decorrer até hoje na Exponor, não pense que está a delirar. Não, tudo o que é personagem de filme, série, livro ou banda desenhada está por ali. E como o Sheldon e companhia do Big Bang eram grandes adeptos destas convenções, bem que poderiam lá estar, para se cruzarem com os atores e autores que vem de várias partes do mundo para dar autógrafos, discursar ou desenhar.

Não estamos em Nova Iorque ou Londres mas em Matosinhos, e as ruas que vão dar à Exponor estão cheias de cosplays - vestidos como os seus heróis - desde sexta-feira. Se a Guerra das Estrelas domina o evento devido à proximidade da estreia do VII episódio da saga, com Darth Vader"s aos montes e tropas imperiais, não faltam outras figuras. Mas já lá vamos, antes ouve-se a Mariana, 18 anos, que é fã do Star Wars desde que os viu em vídeo. A continuação será a primeira vez em que vai ver no ecrã e isso causa-lhe algum receio: "Gostei do IV, V e VI episódios. Os três primeiros desiludiram-me e este espero que não me estrague as expectativas."

Mariana já tirou fotos com o trio de personagens da Guerra das Estrelas, que se destacam no pavilhão porque têm como cenário uma nave Tie-Fighter em tamanho real. Ao lado, podem-se atirar umas setas de borracha sobre vários figurantes dos filmes de George Lucas desde que se paguem poucos euros. Não é nada comercial, antes dinheiro para a solidariedade conforme explicam: "Somos uma organização internacional, a Legião 501, que está por todo o mundo." Em Portugal, a verba recolhida é para uma associação contra a leucemia.

Sara, Paulo e Ana vieram de Lisboa para participarem no Comic-Con e não estão desiludidos. Sara diz: "Experimentamos tudo em pouco tempo". Mas o que mais a deixa feliz é não ter que ouvir comentários pejorativos: "Quando nos vestimos como gostamos as pessoas dizem piadas na rua e até nos insultam. Aqui, estamos à vontade." O trio perde-se entre os milhares de visitantes que enchem o pavilhão de exclamações de surpresa quando se cruzam com uma cinquentona vestida como o Super Mário ou adolescentes que envergam fatos à Catwoman, Homem-Aranha, Thor, Hitman, Harley Queen, Sangoku... Mas é o cadeirão réplica do da Guerra dos Tronos que provoca mais filas. Não há ninguém que não se queira sentar e tirar uma fotografia ali sentado, mesmo que a suas vestimentas nada tenham a ver com a série de George R. R. Martin.

Busca pelo autógrafo

No pavilhão também há lugar para sessões de autógrafos. A maioria dos autores fá-lo de graça, para vender livros ou cartazes, como o japonês Tsuneo Sanda, que veio de Tóquio para alegria dos fãs portugueses do Star Wars. Autografa os cartazes que estão à venda no stand, com bastante procura, afinal o realizador da saga convidou-o a ir ao Rancho Skywalker e autorizou-o a fazer a arte que quisesse com as personagens.

E há mais estrelas. David Anthony Durham já assinou vários exemplares da saga Acácia (ler entrevista ao lado). John Noble, do Senhor dos Anéis e Fringe, faz-se pagar por cada autógrafo concedido e fotografia tirada.

Autores como o norte-americano Brian Azzarelo já deu autógrafos. Samantha Shannon vai dar e Miguelanxo Prado está a dar. O primeiro veio de Chicago de propósito e reservou o dia de hoje para conhecer o Porto. Mas nos dois primeiros dias, Azzarelo teve muita "procura", pois tem no currículo vários volumes de comics com os super-heróis Batman e Super-Homem. "São os únicos com dimensão universal", diz quem também fez vários argumentos para outras personagens míticas, como Wonder-Woman ou Dark Knight, este em parceria com Frank Miller.

A segunda, chega de Londres para divulgar o seu livro A Estação dos Ossos, uma autora que aos 15 anos escreveu um romance, rejeitado por todas as editoras. Samantha vingou-se quatro anos depois, quando criou uma personagem clarividente que habita em Londres no ano de 2059. O contrato de milhões foi assinado em 2012, para sete volumes, tais como os da saga Harry Potter de J.K. Rowling, de quem dizem ser a sucessora.

Histórias há muitas nesta Comic-Con, mas agora está na hora de ir ver o concurso de cosplay. Não faltam concorrentes! E logo depois, o karaoke com bandas coreanas, palco onde não faltam vozes e coreografias. E voltar a ouvir o arfar de Darth Vader uma última vez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".