SPA doa dez mil euros para comprar quadro de Domingos Sequeira

Campanha decorre até abril

A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) doou hoje 10 mil euros à campanha de angariação de fundos para comprar a tela "A Adoração dos Magos", do pintor português Domingos António Sequeira (1768-1837), revelou fonte da cooperativa.

Contactado pela agência Lusa, José Jorge Letria, presidente da SPA, indicou, à saída da entrega daquele valor durante uma visita ao Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, que a iniciativa resultou de uma decisão "unânime da direção e da administração" da cooperativa de autores.

"A SPA, que representa 25 mil associados, quis dar um contributo para que esta obra fundamental do património português fique no Museu de Arte Antiga", acrescentou o presidente da SPA.

Para o responsável, o donativo "é um ato de cidadania solidária e de respeito pelo património cultural português".

O valor, segundo José Jorge Letria, foi retirado do Fundo Cultural, criado em 2005 para apoiar anualmente a criação de obras de várias áreas, sobretudo na música, e outras iniciativas da SPA.

"Este Fundo tem vindo a ser reforçado desde o final do ano passado com a entrada em vigor da Lei da Cópia Privada", através da qual a SPA recebe uma percentagem.

A campanha de angariação de fundos para comprar a tela "A Adoração dos Magos" - à venda por 600 mil euros, por privados - tinha recolhido, até terça-feira, 170 mil euros, disse à Lusa a organização.

Lançada no ano passado, a campanha "Vamos pôr o Sequeira no Lugar Certo" tem como objetivo ajudar o museu a adquirir, a privados, a obra de Domingos Sequeira, pintada em 1828, da qual o MNAA possui o desenho final e vários preparatórios.

A tela de Domingos Sequeira - considerada "insubstituível" pelo museu - faz parte da série "Palmela", com quatro pinturas religiosas, e o MNAA possui, na sua coleção, os desenhos preparatórios de estudo de todas elas, mas não os respetivos óleos.

O MNAA tem no seu acervo cerca de 30 obras em pintura e desenho de Domingos Sequeira, cujo trabalho realizado nas primeiras décadas do século XIX se encontrava no "umbral da modernidade", entre o Classicismo e o Romantismo, de um modo similar a Francisco de Goya, seu contemporâneo na cultura espanhola.

Devido ao seu talento, Domingos Sequeira conseguiu proteção aristocrática e uma bolsa para se aperfeiçoar em Roma, onde privou com vários mestres e conquistou prémios académicos.

Para divulgar a campanha -- a decorrer até abril - o museu reuniu informação em sequeira.publico.pt.

Também em dezembro do ano passado, a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) e a Associação Nacional de Freguesias (Anafre) fizeram um apelo à participação das autarquias na angariação de fundos, para que o museu adquira "A Adoração dos Magos", de Domingos Sequeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.