"Sniper Americano": herói ou assassino?

Chris Kyle é considerado o mais letal atirador da história militar dos Estados Unidos - com o seu novo filme, "Sniper Americano", Clint Eastwood faz o retrato íntimo das suas quatro missões no Iraque.

Desde os tempos em que encarnou a personagem do detetive Harry Callahan, nomeadamente em A Fúria da Razão (1971) e Harry - O Detetive em Ação (1973), Clint Eastwood não é estranho aos mais diversos confrontos políticos, trans-versais à sociedade americana. O seu novo filme como realizador - Sniper Americano (estreia quinta-feira) - volta a estar no centro de um debate que, de uma maneira ou de outra, remete para o envolvimento militar dos EUA no Iraque, na sequência dos atentados de 11 de Setembro de 2001.

Em boa verdade, o filme não se apresenta como uma tese global sobre a Guerra do Iraque. Trata-se, aliás, de uma narrativa obsessivamente concentrada na figura verídica do american sniper Chris Kyle. Texano, nascido em Odessa a 8 de abril de 1974, Kyle inscreveu-se na Marinha, nos United States Navy Seals, em 1999 - cumpriu quatro missões no Iraque, entrando para os registos oficiais como o mais letal sniper na história militar dos EUA. Foi autor de 160 tiros certeiros, admitindo-se que esse número possa ascender a 255 (apenas são registadas as ocorrências confirmadas por, pelo menos, uma testemunha).

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.