Slow J, Mishlawi e Os Quatro e Meia marcam presença na Caparica

O festival arranca no dia 22 de março e continuará até ao último dia do mesmo mês

Slow J, Mishlawi e Os Quatro e Meia estão confirmados para o festival Primavera Surf Fest, que estará de regresso à praia do Paraíso, na Costa da Caparica, em março. Os artistas atuarão no segundo dia do festival - dia 23 de março.

Entre diversas provas e atividades de surf, que reunirão centenas de atletas, o festival inclui seis noites de espetáculos musicais dos mais diversificados géneros.

Juntam-se, assim, a músicos como HMB, Valete, Dead Combo e Sara Tavares. Também Orelha Negra e Carlão, que já tinham marcado presença na edição anterior, regressam à Caparica.

Hugo Pinheiro, multi campeão da Europa, é um dos grandes nomes do bodyboard que irá competir nos dias 24 e 25 de março.

O festival arranca no dia 22 de março e continuará até ao último dia do mesmo mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.