Siza Vieira e Carrilho da Graça em torno de Le Corbusier

Os arquitetos portugueses participaram esta segunda-feira na discussão Le Corbusier, os arquitetos e os livros, que assinalava os 50 anos da sua morte

Os arquitetos Álvaro Siza Vieira e João Luís Carrilho da Graça refletiram esta segunda-feira em torno da figura de Le Corbusier (1887-1965) na discussão Le Corbusier, os arquitetos e os livros. Organizada pela livraria especializada em arquitetura A+A, o evento assinalava os 50 anos que se contam desde a morte do arquiteto de origem suíça naturalizado francês.

Na sala do Museu da Eletricidade, em Lisboa, onde decorreu o debate contavam-se mais de 200 pessoas na assistência, na sua maioria estudantes de arquitetura e arquitetos. Na sala de baixo, muitos assistiam ao que se passava no andar de cima através de transmissão em direto por vídeo.

Cerca de cem pessoas terão ficado à porta do Museu da Eletricidade devido à já esgotada lotação da sala, referiu fonte da A+A ao DN. Alguns dos que conseguiram entrar, contava a mesma fonte, esperavam desde as 13.00 pela conferência marcada para as 18.30.

Os arquitetos e as letras

De Corbusier cuja biblioteca contava cerca de 1600 títulos, da sua relação com os livros e com a literatura, Siza Vieira e Carrilho da Graça partiram depois para uma reflexão pessoal acerca da relação da sua própria arquitetura com as letras.

Se Siza Vieira começou por dizer que "em menino" eram as tiras de O Mosquito e de O Papagaio que o fascinavam, terminou depois uma breve odisseia pelas leituras da sua vida nos escritores americanos Ernest Hemingway ou John Steinbeck e, mais tarde, em literatura especializada na arquitetura.

Hoje em dia, contou, o que mais lê é poesia. "Primeiro por interesse, mas por outros motivos mais prosaicos. Referia-se aos problemas nos olhos, "custa-me ler em continuidade".

Referindo que escreve "bastante, de forma irregular" e em "textos muito curtos", o prémio Pritzker de 1992 foi seguido pelo arquiteto e professor Carrilho da Graça que revelou: "Escrevo pouco e também não desenho muito".

Quanto à sua relação com as letras, a moderadora Marta Sequeira referiu ainda a afinidade que Carrilho da Graça por várias vezes referiu com o filósofo Peter Sloterdijk em relação à forma como este define a atividade dos filósofos, equiparando-os a atletas de alta competição do pensamento. Afinidade que Carrilho da Graça afirmou procurar transmitir aos seus alunos: "Não vale a pena fazer a coisa por menos."

Antes dos arquitetos portugueses, o debate foi iniciado pelos académicos espanhóis Jorge Torres Cueco, Maria Candela Suàrez e Juan Calatrava Escobar. Este último, referindo alguns dos escritores que mais marcaram Le Corbusier e acabaram por definir a sua obra, evocou Paul Valéry, Stéphane Mallarmé, Cervantes, Rabelais, Homero e "por vezes" William Shakespeare.

Escobar, que começou a sua intervenção criticando a comum "caricatura do funcionalista, do homem que punha tudo a viver em caixas de sapato" que se faz de Le Corbusier, como que deu o mote à discussão que continuamente foi contrariando a redução presente nessa mesma imagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.