Sir Elton John pelas estradas da América

Chama-se Wonderful Crazy Night e assinala o regresso do cantor aos estúdios de gravação. O cenário de fundo confirma a tendência deste século: é na América que tudo se passa

À primeira canção, começa a viagem no tempo: poderia ter saltado diretamente dos anos 1970, com o apelo irresistível do piano boogie, com o isco de uma letra que remete para as boémias descontroladas da época, com cheiros misturados de Dr. John, Billy Joel e Bruce Hornsby. Ou, se quisermos manter o assunto dentro de casa, este tema-título ressalta como uma sequela à altura de Honky Cat... 44 anos depois. Quanto ao álbum, terceiro capítulo na ligação de Sir Elton John com o notabilíssimo produtor T-Bone Burnett (cujos créditos curriculares preencheriam sem esforço todo o espaço disponível para este texto, bastando lembrar que já lhe passaram pelas mãos Elvis Costello, Los Lobos, Counting Crows, The Wallflowers, Cassandra Wilson, o grande Roy Orbison, Brandi Carlile, Alison Krauss, Robert Plant e John Mellencamp, só para citar uma dezena de notáveis), o protagonista emerge nos antípodas do intimismo que marca The Diving Board, o seu capítulo anterior, publicado em 2013. Recuperando muita da energia que moldou discos como Goodbye Yellow Brick Road, A Single Man ou Jump Up!, o cantor não tem pejo em encarnar um "velhinho moderno", capaz de agitar as massas e, desta vez, mais preocupado com o balanço do que com o embalo.

Elton John tem 68 anos, Wonderful Crazy Tonight é o seu 32.º disco de estúdio, porventura o último antes de assinalar meio século de gravações "oficiais". Fica claro que, tal como aconteceu com as suas últimas investidas, não se espera vir descobrir aqui a revolução. Mas, desde logo, há um atributo que justifica a "chapelada": com pormenores distintivos, com o regresso aos discos dos seus velhos companheiros dos espetáculos (o percussionista Ray Cooper grava com Elton pela primeira vez desde 1995, regressando também o guitarrista Davey Johnstone e o baterista Nigel Olsson), com aquilo que soa como um choque vitamínico capaz de acelerar a batida geral, e não apenas a cardíaca, o homem não se afasta dos seus formatos habituais. Não renova, é certo; mas não renega. E, num quadrante específico, esta fidelidade aos princípios, com melodias bem talhadas, com recurso a um refrão forte, com "enredos" que misturam vivências próprias e observações atentas, já funciona como um elemento redentor contra mudanças apressadas e atualizações ditadas pela moda. Elton John é, acima de tudo, sólido e "teimoso", deixando as excentricidades para a cor de cabelo e para o formato dos óculos. Quem o segue, e muitas vezes vale a pena não o perder de vista, sabe aquilo com que conta.

Veja aqui o vídeo:

O apelo dos Estados Unidos

Em 1995, gravou um álbum de título inequívoco: Made in England. Mas esse apego à terra-mãe (nasceu em Pinner, Middlesex, a 25 de março de 1947) esbateu-se bastante depois da viragem do século e, garantem alguns mais chegados, depois da tragédia que vitimou a sua grande amiga e cúmplice Lady Diana Spencer, morta em agosto de 1998. Seja por razões políticas, fiscais, culturais, de abertura de horizontes, o século XXI carrega para Elton a dimensão norte-americana. Em 2001, gravou Songs from the West Coast, título evidente, com produção de Patrick Leonard, um yankee que se tornou conhecido ao compor e produzir para Madonna, trabalhando, mais tarde, com Bryan Ferry, os Pink Floyd, Leonard Cohen, Marianne Faithfull ou Robbie Robertson). Em 2004, publicou Peachtree Road, título que aponta para a mais conhecida artéria da cidade de Atlanta, Georgia, em que possui uma casa. Após o intervalo do autobiográfico The Captain and The Kid (2006), gravou, em parceria com o norte-americano Leon Russell, o excelente The Union, lançado em 2010. E foi esse o momento em que se cruzou com T-Bone Burnett, que voltou a assumir o papel de produtor em The Diving Board e, agora, em Wonderful Crazy Night.

O resultado desta ligação passa muito pelo preenchimento sonoro nas canções de John e do seu velho cúmplice Bernie Taupin. Meticuloso, Burnett não descura os pormenores que possam engrandecer (não é sinónimo de complicar) os temas postos à sua disposição. Desde logo, parece pertencer-lhe a responsabilidade por um regresso do piano de Elton John a uma posição destacadíssima. Depois, quanto ao "embrulho" das criações - e são 12, neste disco -, o produtor surge capaz de "descomplexar", não fugindo, por exemplo, a uma certa aproximação ao country (Blue Wonderful ou I"ve Got 2 Wings) ou a um mergulho em terrenos em que se cultivam os blues ou o rockabilly (bem evidentes em Looking Up, Guilty Pleasure, até em England and America), além da inevitável balada clássica, figura de estilo tradicional nos discos de Sir Elton (chama-se, neste caso, Good Heart, e merecia estar acompanhada de mais umas congéneres, uma vez que há muito se transformaram em "especialidade da casa".

Bis em Portugal

Esta energia renovada - e, pelos vistos, renovável - de Sir Elton não se cinge às propostas de um disco que tem condições para repetir o desempenho comercial de The Diving Board. No álbum, e tal como confessou à revista Rolling Stone, o autor quis "ir de uma ponta à outra do disco sempre com um tom de otimismo, independentemente do ritmo ser mais alto ou mais baixo". Agora, o quase septuagenário lança-se numa digressão que, à partida, conta com mais de 50 espetáculos marcados. Dois deles ajudarão Elton John a "percorrer" Por- tugal: a 11 de dezembro, caber-lhe-á lotar, com nostálgicos mas não só, o MEO Arena, em Lisboa. Antes disso, há de marcar presença na sessão de abertura do Festival Marés Vivas em que figura como cabeça de cartaz. A agenda indica o serão de 14 de julho, quase 45 anos depois de ter abrilhantado a primeira edição do Festival de Vilar de Mouros, um pouco mais a norte. Em ambas as ocasiões, esperam-se - evidentemente - os grandes clássicos. Mas podemos ficar descansados: as novas canções, já sem a voz de outrora mas com assinatura reconhecida, também não vão soar nada mal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.