Sherlock Holmes em manga e inspirado em Cumberbatch

O detetive criado por Arthur Conan Doyle em 1887 tem mais uma face. A edição em inglês de Sherlock: A Study in Pink, série que começou há quatro anos no Japão, está prevista para junho

Feito a partir de Sherlock, a série da BBC que começou em 2010 e tem como protagonistas Benedict Cumberbatch no papel de Sherlock Homes e Martin Freeman como Dr. John Watson, a banda desenhada japonesa, Sherlock: A Study in Pink, tem edição em inglês marcada para junho.

O nome da série em manga japonesa é, aliás, o título do primeiro episódio da série britânica que, como tem acontecido desde 1887 - ano em que Arthur Conan Doyle criou o famoso detetive -, reinventa Sherlock Homes.

Editada pela Titan Comics, a série de manga, criada pelo ilustrador Jay, apareceu no Japão há quatro anos, onde foi publicada pela revista Young Ace. Depois de muito tempo a circular na internet com traduções improvisadas, os leitores de língua inglesa vão, finalmente, ter acesso a uma tradução fixada e publicada.

Uma das capas feitas por Jay

"É muito interessante ver algo tão britânico reinterpretado em manga japonesa", declarou o editor da Titan Comics, Andrew James, ao jornal Guardian. "Continua dinâmico e cheio de ação, mas, comparado com a banda desenhada americana, há frequentemente uma calma e uma reflexão acerca da manga."

Esta não é a primeira vez que a própria editora Titan Comics mostra Sherlock Homes. Os leitores já o tinham visto lidar com vampiros e extraterrestres na série de banda desenhada Further Adventures of Sherlock Holmes. Na que chega neste verão, Sherlock: A Study in Pink, cada álbum da série terá, como bónus, capas de diferentes artistas, adianta o site io9.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.