Sherlock Holmes em manga e inspirado em Cumberbatch

O detetive criado por Arthur Conan Doyle em 1887 tem mais uma face. A edição em inglês de Sherlock: A Study in Pink, série que começou há quatro anos no Japão, está prevista para junho

Feito a partir de Sherlock, a série da BBC que começou em 2010 e tem como protagonistas Benedict Cumberbatch no papel de Sherlock Homes e Martin Freeman como Dr. John Watson, a banda desenhada japonesa, Sherlock: A Study in Pink, tem edição em inglês marcada para junho.

O nome da série em manga japonesa é, aliás, o título do primeiro episódio da série britânica que, como tem acontecido desde 1887 - ano em que Arthur Conan Doyle criou o famoso detetive -, reinventa Sherlock Homes.

Editada pela Titan Comics, a série de manga, criada pelo ilustrador Jay, apareceu no Japão há quatro anos, onde foi publicada pela revista Young Ace. Depois de muito tempo a circular na internet com traduções improvisadas, os leitores de língua inglesa vão, finalmente, ter acesso a uma tradução fixada e publicada.

Uma das capas feitas por Jay

"É muito interessante ver algo tão britânico reinterpretado em manga japonesa", declarou o editor da Titan Comics, Andrew James, ao jornal Guardian. "Continua dinâmico e cheio de ação, mas, comparado com a banda desenhada americana, há frequentemente uma calma e uma reflexão acerca da manga."

Esta não é a primeira vez que a própria editora Titan Comics mostra Sherlock Homes. Os leitores já o tinham visto lidar com vampiros e extraterrestres na série de banda desenhada Further Adventures of Sherlock Holmes. Na que chega neste verão, Sherlock: A Study in Pink, cada álbum da série terá, como bónus, capas de diferentes artistas, adianta o site io9.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.