Sequela de Blade Runner é "emocionalmente profunda", diz Harrison Ford

O ator norte-americano Harrison Ford apresentou hoje o novo "trailer" de "Blade Runner 2049", qualificando como "emocionalmente profunda" a esperada sequela do clássico filme de ficção científica realizado por Ridley Scott e estreado em 1982. A estreia mundial está agendada para 6 de outubro.

Harrison Ford destacou "a complexa" primeira cena que rodou com o colega Ryan Gosling, durante uma ronda de contactos com a imprensa.

"Era uma cena sobre tudo o que se passou desde a última vez que vimos a minha personagem e na primeira vez que ela surgia nesta película, e as referências que unem estas duas personagens [as de Harrison Ford e de Ryan Gosling], que são inesperadamente profundas, emocionalmente profundas e realmente ricas", disse o veterano ator, de 74 anos.

Ford explicou que o filme "aborda e trata algumas das questões éticas que a tecnologia levanta hoje em dia" e que o enredo explora tanto os benefícios como as consequências desses progressos.

Depois de também ter retomado outras personagens clássicas da sua carreira, como o de Indiana Jones ou de Han Solo, na Guerra das Estrelas, Harrison Ford explicou a razão que o levou a regressar a este universo.

"A personagem encaixa na história de uma forma que me intrigou. Há um contexto emocional muito forte e a relação entre a minha personagem, Deckard, e o resto pareceu-me fascinante. É interessante desenvolver um personagem assim depois de tanto tempo. Foi uma experiência muito gratificante", afirmou.

Por seu turno, Ryan Gosling, que representa nesta sequela o oficial K, disse nunca ter formado parte de um projeto tão ambicioso.

"Vi-me completamente submergido neste universo com o qual cresci. Para mim, a chave foi não mostrar para a câmara o que sentia, porque se supõe que a minha personagem está acostumada a essa realidade, embora eu nunca tivesse visto decores assim. Nunca trabalhei a esta escala. Foi abrumador", contou o ator canadiano.

Na apresentação de hoje esteve também o realizador do filme, o também canadiano Denis Villeneuve.

"Ainda estamos a explorar assuntos como a memória e a empatia. São esses os temas complexos aprofundados na película e, como é óbvio, também o que significa ser humano", afirmou o realizador que sucedeu a Ridley Scott para a sequela.

Além de Ford e Gosling, o filme conta também com outros atores conhecidos, como Jared Leto, Robin Wright, Ana de Armas, Sylvia Hoeks, Carla Juri, Barkhad Abdi y Dave Bautista. A estreia nos cinemas dos Estados Unidos está prevista para 06 de outubro.

A ação do filme Blade Runner decorria numa futurista cidade norte-americana de Los Angeles, no ano de 2019, quando o homem tinha criado clones para fazer trabalhos perigosos. Mas esses clones se rebelavam contra os seus fabricantes numa colónia espacial e originavam um enfrentamento entre criador e criatura.

Deckard, a personagem de Harrison Ford, é um dos encarregados de caçar os clones que se tinham escapado da colónia, regressado à Terra e escondido em Los Angeles.

O elenco de Blade Runner 2049 conta ainda com Robin Wright (House of Cards), Mackenzie Davis (Black Mirror) e Lennie James (The Walking Dead). Dave Bautista (Guardiões da galáxia vol. 2) e Jared Leto (Esquadrão suicida) fazem participações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)