Segundo concerto dos U2 em Lisboa também já está esgotado

O grupo rock irlandês dará este ano dois concertos em Lisboa nos dias 16 e 17 de setembro

O segundo concerto dos U2 em Lisboa, a 17 de setembro na Altice Arena, já esgotou, disse à agência Lusa fonte da promotora Ritmos & Blues.

Os bilhetes de venda geral ao público tinham sido disponibilizados a partir das 09:00 de hoje apenas na Internet, através da Blueticket, tendo o concerto esgotado em duas horas.

O grupo rock irlandês dará este ano dois concertos em Lisboa nos dias 16 e 17 de setembro, no âmbito da digressão "EXPERIENCE + iNNOCENCE".

Esta será a sexta vez que os U2 atuam em Portugal. Em 2010 deram dois concertos esgotados no Estádio Cidade de Coimbra, em 1982 tocaram no festival de Vilar de Mouros e em 1993, 1997 e 2005, atuaram no Estádio José de Alvalade, em Lisboa.

Os U2 voltam agora à estrada depois de terem feito em 2017 uma digressão de celebração dos 30 anos do álbum "The Joshua Tree".

Em dezembro lançaram o álbum "Songs of Experience", que dá o mote para a nova digressão mundial, que começa a 02 de maio em Tulsa, nos Estados Unidos, e chega à Europa a 31 de agosto, em Berlim.

Formados em Dublin, em 1976, os U2 integram Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".