Segunda semfinal: 18 países, apenas 10 lugares na final de sábado

São 18 os países que competem esta noite por um dos 10 lugares na final da Eurovisão

Noruega: Alexander Rybak, That's How You Write a Song
Qualquer texto sobre o cantor que representa a noruega tem de dizer que ele já venceu a Eurovisão. Rússia 2009 foi o momento. A Lisboa 2018 traz uma canção cheia de ritmo que inclui um violino. De origem bielorrussa, mudou-se com a família para Oslo aos 5 anos. É ele o autor da letra e da música que representa o país escandinavo.

Roménia: The Humans, Goodbye
A Roménia traz o máximo de elementos permitidos pelas regras da Eurovisão - seis. Adi Tetrade, Alin Neagoe, Alex Matei, Alex Cismaru, Corina Matei e Cristina Caramarcu, a vocalista. Para o palco trazem uma performance com manequins. Na sua formação atual, a banda tornou-se conhecida num programa de televisão. No instagram, a cantora

Sérvia:Sanja Ilić & Balkanika, Nova Deca
Muito populares na região das balcãs, procuram misturar os sons dos instrumentos mais tradicionais com ritmos mais modernos. Nos últimos anos atuaram em palcos da Rússia, EUA e Coreia do Sul. Nova Deca significa 'novas crianças'.

San Marino: Jessika featuring Jenifer Brening, Who We Are
Jessika Muscat, 29 anos, é cantora, compositora e atriz. Venceu um concurso de talentos em Malta, há 10 anos. Tem experiência eurovisiva. Em 2011 chegou à final do festival da canção de Malta. Jenifer Brening, alemã, começou a mostrar o seu talento no YouTube fazendo versões de canções de êxitos internacionais. Na performance da Eurovisão destacam-se pelos robôs que trazem para o palco.

Dinamarca: Rasmussen, Higher Ground
O cantor de 33 anos Rasmussen está em palco com outros quatro vikings. A Dinamarca traz para o palco uma tempestade nórdica e uma lenda viking. Estão na Eurovisão para trazer a paz.

Rússia: Julia Samoylova, I Won't Break
Julia veio a Portugal e viu o oceano pela primeira vez. A cantora, que sofre de atrofia muscular e se desloca em cadeira de rodas, deu-se a conhecer na cerimónia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Sochi. Há um ano não pôde cantar na Ucrânia, pois o país vetou a participação da Rússia na Eurovisão.

Moldávia: DoReDos, My Lucky Day
O grupo de folk-pop moldavo, nascido em 2011, traz à Eurovisão uma das participações mais divertidas. Chamam-se Marina Djundet, Eugeniu Andrianov e Sergiu Mita.

Holanda: Waylon, Outlaw in Em
A canção é rock puro , o cantor e para ele tudo começou com um telefonema do seu ídolo Waylon Jennings, a partir de Nashville.

Austrália: Jessica Mauboy, We Got Love
Muito conhecida como atriz e cantora na terra natal, a Austrália, Jessica já participou na Eurovisão há dois anos, quando o país fez a sua primeira participação não oficial na Eurovisão. A sua carreira na música começou em 2006.

Geórgia: Iriao, For You
Definem-se como um grupo de etno-fusão e na sua canção querem mostrar a polifonia georgiana, considerada património imaterial da humanidade pela Unesco. Ao longo da sua carreira têm participado em vários festivais de world music.

Polónia: Gromee featuring Lukas Meidjer, Light me up

Artista confirmado no seu país, Gromee chega à Eurovisão com Lukas Meijer um cantor sueco. Em palco atuam num fundo preto.

Malta: Christabelle, Taboo
Christabelle começou adolescente uma carreira na televisão e decidiu depois dedicar-se por completo à música. Nos últimos anos tem trabalhado com produtores americanos e britânicos.

Hungria: AWS, Viszlát Nyár
São a atuação metal da Eurovisão e o vocalista canta descalço. Nasceram em 2008, em Budapeste.

Letónia: Laura Rizotto, Funnny Girl
Laura tem uma dessas histórias curiosas. Viveu sempre no Brasil, mas as suas origens estão em itália, em Portugal e na Letónia, razão pela qual concorre em nome deste país.

Suécia: Benjamin Ingrosso, Dance You Off
Benjamin nasceu nos arredores de Estocolmo e cedo decidiu que queria dedicar-se ao entretenimento. A sua atuação assemelha-se a um teledisco ao vivo.

Montenegro: Vanja Radovanivic, Inje
O cantor de Montenegro entra em palco com quatro cantoras. Vanja é também um cantor com provas dadas na sua terra natal.

Eslovénia: Lea Sirk, Hvala, Ne!
O cabelo cor de rosa e o humor desempoeirado da cantora eslovena são as imagens de marca da cantora eslovena. Com formação clássica de flauta, a música deixou para trás uma carreira na música clássica e traz um tema pop à Eurovisão. Tem dois filhos, de 5 e 2 anos, que a acompanharam a Portugal.

Ucrânia: Melovin,Under the Ladder
Os olhos são de cores diferentes e o cantor cultiva o ser diferente. O nome, Melovin, nasce da combinação de Alexander McQueen e Haloween.

Dez destes países juntam-se a a Cláudia Pascoal e Isaura, no sábado, na grande final, ao lado dos Big Five - Alemanha, Espanha, Itália, França e Reino Unido. O hino da Eurovisão começa a tocar às 20.00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.