Scarlett Johansson lidera comédia pouco inspirada

Com Johansson no papel central, Girls Night é uma versão feminina de A Ressaca - ou como a comédia está em crise

Há um curioso lugar-comum que gosta de proclamar que os críticos de cinema não gostam de comédias... Como se nunca ninguém tivesse dado atenção a Charlie Chaplin e Buster Keaton, Jerry Lewis, Jacques Tati ou Woody Allen. Em boa verdade, face a Girls Night (estreia-se amanhã), o problema é de outra natureza. A saber: como é que o filme aguenta a comparação com tais referências? Ou ainda: será que sabe, ou não, honrar a esplendorosa tradição de humor inscrita no património de Hollywood?

Na melhor das hipóteses, digamos que Girls Night se apresenta como uma tentativa de refazer, em tom feminino, o sucesso de A Ressaca (2009). É bem certo que este era um bom exemplo de uma certa recuperação nostálgica do burlesco clássico, mas foi rapidamente desbaratado nas suas "obrigatórias" sequelas. Girls Night sofre, afinal, do mesmo problema que tem assolado os blockbusters de super--heróis - produzem-se cópias atrás de cópias, obedecendo a uma lógica que já não envolve nenhum desejo de cinema, de tal modo está assombrada pelos valores de um marketing estranho a qualquer dimensão cinéfila.

Em A Ressaca, um grupo masculino viajava até Las Vegas para a festa de despedida de solteiro de um dos seus elementos. Agora, em Girls Night, encontramos quatro mulheres - Scarlett Johansson, Jillian Bell, Zoë Kravitz e Ilana Glazer - apostadas em desafiar todos os limites para, na noite de Miami, celebrar o casamento próximo de uma delas (Johansson). Cedo compreendemos que o ritmo da comédia, suas nuances e ambiguidades, é coisa pouco interessante para a realizadora estreante Lucia Aniello - confunde-se o humor com a acumulação de anedotas obscenas que, em última instância, apenas refletem a degradação dos padrões, também eles clássicos, da stand--up comedy.

Digamos, então, que tudo corre mal... O grupo contrata um stripper para animar (?) a sua noite, mas na confusão que se gera ocorre um incidente trágico: o stripper morre numa queda, elas tentam esconder o corpo, o noivo intrigado com alguns telefonemas agitados decide rumar a Miami e aparecem dois homens armados com ar ameaçador...

Memórias de Blake Edwards

Semelhante sinopse pode suscitar uma pergunta pertinente: não deveria o crítico de cinema evitar resumir as peripécias que, afinal, ocupam quase dois terços do filme? Não tem o espectador direito a descobrir, por si próprio, tais peripécias? Sim, sem dúvida. Acontece que quem avança com tal resumo é o próprio trailer do filme, também neste caso confirmando um estilo de marketing que quase ninguém questiona: há filmes que deixaram de ser feitos para tentar surpreender o espectador - apenas se pede que, cumprindo uma missão de absoluta rotina, ele se desloque à sala escura para confirmar (?) as informações que já recebeu.

Podemos, talvez, especular um pouco sobre o que seria Girls Night se, de facto, o projeto fosse movido por um mínimo de empenho - e, sobretudo, de gosto - por essa arte de infinita complexidade que é a comédia. Podemos até evocar um certo modelo de comédia em que as referências sexuais, por vezes apenas através de calculadas sugestões, eram tratadas como subtil elemento de revelação das personagens - pensaremos, em particular, num cineasta como Blake Edwards (1922-2010) e em títulos como Uma Mulher de Sonho (1979) ou Victor/Victoria (1982). Na verdade, temos um vislumbre de tal possibilidade através da quinta mulher que se junta ao grupo. É ela a amiga da noiva que chega da Austrália - apesar da banalidade da realização de Aniello, a personagem permite à atriz Kate McKinnon, pelo menos, mostrar um pouco do seu enorme talento.

Curiosamente, McKinnon, tal como Aniello, tem o essencial da sua carreira ligado à televisão, em particular ao programa de comédia Saturday Night Live (NBC): as suas caricaturas de algumas figuras da cena política, incluindo Hillary Clinton e Kellyanne Conway, são pequenas obras-primas de humor. Para além da eficácia com que ela domina o sotaque australiano, há mesmo um momento delicioso - a canção que interpreta durante o genérico final - que fica como exemplo daquilo que Girls Night poderia ter sido. Entretanto, depois desse genérico, há ainda uma breve cena, com a personagem de Jillian Bell, que parece querer prever a hipótese de uma sequela... O marketing assim o impõe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.