"São Jorge" representa Portugal no Festival da UE em Hong Kong

O filme "São Jorge", do realizador Marco Martins, vai representar Portugal no Festival de Cinema da União Europeia em Hong Kong, que arranca a 8 de fevereiro.

O Festival de Cinema da União Europeia (EUFF, na sigla inglesa), que conta com 16 filmes, incluindo também um da Suíça, abre com a película The Happiest Day in the Life of Olli Mäki (Finlândia), no próximo dia 8, e fecha, a 24 de fevereiro, com a longa-metragem Cézanne et moi (França ), que já passou pelas salas nacionais.

O filme São Jorge, do realizador Marco Martins, que valeu a Nuno Lopes o Prémio Especial de Melhor Ator atribuído pelo júri da secção "Orizzonti" do Festival Internacional de Cinema de Veneza, em setembro, vai ser exibido nos dias 18 e 22 de fevereiro. Em Portugal, a estreia está marcada para 9 de março.

São Jorge - que conta a história de um pugilista desempregado que se vê obrigado a trabalhar em cobranças de dívidas para sobreviver - teve a sua estreia na Ásia em dezembro durante o primeiro Festival Internacional de Cinema de Macau, no qual conquistou dois prémios (melhor realizador e melhor ator).

O cartaz completa-se com Stefan Zweig, Farewell to Europe (Áustria), longa-metragem sobre o exílio do escritor judeu austríaco durante o nazismo filmada no Brasil, atualmente em exibição em Portugal e que conta com a participação de alguns atores portugueses, entre os quais Virígilio castelo e Nicolau Breyner; Belgica (Bélgica), Family Film (República Checa); After Spring Comes Fall (Alemanha); Liza, the Fox-Fairy (Hungria); Pursuit (Irlanda); Sweet Dreams (Itália); The Day My Father Became a Bush (Holanda); Secret Sharer (Polónia); Palm Trees in the Snow (Espanha); Underdog (Suécia); A Decent Man (Suíça) e Ethel & Ernest (Reino Unido).

O festival dedica duas sessões a cada um dos filmes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...