Salas do Museu de Arte Antiga podem voltar a fechar

A escassez de vigilantes poderá voltar a ditar o fecho de algumas salas do museu durante este ano, tal como aconteceu em 2017

O ano começa no Museu Nacional de Arte Antiga com dois sentimentos contraditórios: a certeza do aumento no número de visitantes e a incerteza sobre o fecho pontual de salas devido à falta de vigilantes.

António Filipe Pimentel não avança dados, mas mostra-se confiante quanto ao aumento da procura por parte dos visitantes. "A expectativa é que se tenham ultrapassado os 175 mil visitantes de 2017. Os meus passos já não ecoam nas salas vazias como quando cá cheguei", afirma o diretor do museu, que aqui entrou em 2010, ano em que o museu registou 118 mil visitas. Questionado sobre se este seria um ano sem salas fechadas por falta de vigilantes como aconteceu em alguns dias de 2017, o historiador de arte diz ter dúvidas que isso não volte a acontecer. "O museu tem hoje o total de funcionários que era outrora a guardaria. Temos 62 funcionários no total, dos técnicos ao jardineiro, à senhora da limpeza e aos vigilantes, e há 20 anos tínhamos 132", quantifica.

Quanto à verba disponível para a gestão do museu durante este ano, o diretor lembra que o museu, tal como os outros monumentos dependentes da tutela do Ministério da Cultura, não tem um orçamento próprio. "Digamos que as perspetivas sorridentes que o Orçamento de Estado da Cultura mostrou para Serralves, para o CCB ou para o Museu Berardo, por exemplo, não chegam ao Museu de Arte Antiga", afirma. "Quando a Dra. Ana Pinho em Serralves, onde o Estado apoia 36%, com quase quatro milhões de euros, que é o dobro do que custa este museu, diz, e bem, que o Estado deve apoiar mais porque com mais apoio conseguem fazer mais, pois nós também conseguíamos fazer mais. O que é inverosímil é o que conseguimos fazer sem apoio. Serralves tem 1,5 milhões de euros de apoio do Estado para aquisição de obras de arte. O Museu Nacional de Arte Antiga tem de fazer subscrições públicas se quer comprar o quadro do Sequeira ou se quer restaurar o Presépio dos Marqueses de Belas", compara.

O DN questionou a Direção-Geral do Património Cultural, que não respondeu em tempo útil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.