Salas do Museu de Arte Antiga podem voltar a fechar

A escassez de vigilantes poderá voltar a ditar o fecho de algumas salas do museu durante este ano, tal como aconteceu em 2017

O ano começa no Museu Nacional de Arte Antiga com dois sentimentos contraditórios: a certeza do aumento no número de visitantes e a incerteza sobre o fecho pontual de salas devido à falta de vigilantes.

António Filipe Pimentel não avança dados, mas mostra-se confiante quanto ao aumento da procura por parte dos visitantes. "A expectativa é que se tenham ultrapassado os 175 mil visitantes de 2017. Os meus passos já não ecoam nas salas vazias como quando cá cheguei", afirma o diretor do museu, que aqui entrou em 2010, ano em que o museu registou 118 mil visitas. Questionado sobre se este seria um ano sem salas fechadas por falta de vigilantes como aconteceu em alguns dias de 2017, o historiador de arte diz ter dúvidas que isso não volte a acontecer. "O museu tem hoje o total de funcionários que era outrora a guardaria. Temos 62 funcionários no total, dos técnicos ao jardineiro, à senhora da limpeza e aos vigilantes, e há 20 anos tínhamos 132", quantifica.

Quanto à verba disponível para a gestão do museu durante este ano, o diretor lembra que o museu, tal como os outros monumentos dependentes da tutela do Ministério da Cultura, não tem um orçamento próprio. "Digamos que as perspetivas sorridentes que o Orçamento de Estado da Cultura mostrou para Serralves, para o CCB ou para o Museu Berardo, por exemplo, não chegam ao Museu de Arte Antiga", afirma. "Quando a Dra. Ana Pinho em Serralves, onde o Estado apoia 36%, com quase quatro milhões de euros, que é o dobro do que custa este museu, diz, e bem, que o Estado deve apoiar mais porque com mais apoio conseguem fazer mais, pois nós também conseguíamos fazer mais. O que é inverosímil é o que conseguimos fazer sem apoio. Serralves tem 1,5 milhões de euros de apoio do Estado para aquisição de obras de arte. O Museu Nacional de Arte Antiga tem de fazer subscrições públicas se quer comprar o quadro do Sequeira ou se quer restaurar o Presépio dos Marqueses de Belas", compara.

O DN questionou a Direção-Geral do Património Cultural, que não respondeu em tempo útil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.