Ryan Gosling a cantar desde o clube dos amigos Disney

Estamos a conhecer os nomeados ao Óscar de Melhor Atriz. Este é Ryan Gosling, o ator que de "La La Land"

Em La La Land: Melodia de Amor, mostra os seus dotes como ator, pianista, cantor e bailarino. Teve que aprender a tocar piano em apenas três meses para poder fazer todos os movimentos certos (embora a música tenha sido, obviamente, gravada pelo pianista Randy Kerber). Mas cantar não é uma novidade para Ryan Gosling. O ator começou a sua carreira ainda miúdo no programa da Disney Mickey's Mouse Club, ao lado de Justin Timberlake, JC Chasez e outros. Não acreditam? Vejam-no aqui:

E tentem descobri-lo aqui:

Depois de uma longa experiência como ator em séries e filmes juvenis, aos 19 anos Ryan começou à procura de papéis mais sérios. Em 2001, entrou em O Crente, o filme de Henry Bean que foi premiado em Sundance, e no ano seguinte fez Crimes Calculados, de Barbet Schroeder.

É seguro dizer que o público feminino se rendeu ao seu sorriso com O Diário da Nossa Paixão (2004), o filme que Nick Cassavetes realizou a partir do romance de Nicholas Sparks.

De então para cá, Gosling não tem parado. Podemos lembrá-lo em Half Nelson - Encurralados, de Ryan Fleck (2006), que lhe valeu a sua primeira nomeação ao Óscar de Melhor Ator, e, depois, num registo completamente diferente, em Lars e o Verdadeiro Amor, de Craig Gillespie (2007).

2010 foi o ano de Blue Valentine - Só Tu e Eu, um filme de baixo orçamento, estreia na realização de Dereck Cianfrance, que acabou por ter um reconhecimento inesperado. Gosling foi nomeado para um Globo de Ouro e Michelle Williams esteve nomeada para os Globos e para os Óscares. E foi também o ano de Entre Segredos e Mentiras, de Andrew Jerecy.

No ano seguinte, fez um filme de ação, Drive - Risco Duplo, de Nicolas Winding Refn, que é famoso, entre outras coisas, por ter um dos mais belos beijos do cinema:

Foi também por essa altura que se encontrou no grande ecrã com Emma Stone (a sua companheira em La La Land) na comédia romântica Amor, Estúpido e Louco, e ainda o vimos em Nos Idos de Março, de George Clooney. Entre outros papéis menos relevantes, em 2012, voltou a trabalhar com Dereck Cianfrance para fazer Como um Trovão, o filme em que contracena com Eva Mendes, sua atual mulher, e em 2015 esteve em A Queda de Wall Street, de Adam McKay.

E chegamos, então, a 2016, que é o ano de La La Land: Melodia de Amor. Ryan Gosling, que tinha começado a carreira a cantar e a dançar no clube do Mickey e que, entretanto, tinha tido umas aventuras inconsequentes no mundo da música, interpreta Sebastian, um pianista de jazz que sonha abrir o seu próprio clube mas que, entretanto, vai tocando músicas de natal em restaurantes e fazendo outros trabalhos com os quais não se identifica. O filme realizado por Damien Chazelle tem 14 nomeações para os Óscares e está farto de ganhar prémios (sete Globos de Ouro, cinco BAFTA e outros).

Aos 36 anos, Ryan Gosling ganhou um Globo de Ouro e está nomeado para o Óscar de Melhor Ator, ao lado de Casey Affleck (Manchester By the Sea), Andrew Garfield (O Herói de Hacksaw Ridge), Viggo Mortensen (Capitão Fantástico) e Denzel Washington (Vedações). O vencedor será conhecido no próximo domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.