Rui Moreira diz que Porto tem condições para receber coleção Miró

Presidente da câmara do Porto respondeu ao Ministro da Cultura e oferece museu na cidade para as obras da coleção do BPN

O presidente da Câmara do Porto assegurou hoje que o Porto tem condições para receber as obras de Miró na posse do Estado e falou com o Governo para que "nos próximos dias" sejam avaliados potenciais espaços.

"Acho ótimo que o senhor ministro faça esta declaração de interesse, que corresponde a uma pretensão da cidade do Porto. Agora, vamos durante os próximos dias trabalhar para perceber se há condições de facto para podermos ter isto num equipamento municipal, se o Estado pretende ter aqui um museu nacional ou se é um museu municipal, são tudo questões que ainda não estão certas", afirmou o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, aos jornalistas.

No domingo, em entrevista ao jornal Público, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, revelou que "é desejo do Governo que os Mirós fiquem no Porto", justificando que "já existem em Lisboa muitos museus" de arte moderna e contemporânea.

Rui Moreira saudou a exposição que o Museu de Arte Contemporânea de Serralves vai receber das obras do artista catalão na posse do Estado depois do caso do Banco Português de Negócios (BPN), mas recordou que Serralves "com certeza que não vai ficar com a coleção Miró" devido à abrangência temporal daquele museu, que é posterior a 1960.

Sem querer adiantar que espaços municipais poderiam acolher as obras de Miró, Rui Moreira disse que não falta "imaginação para encontrar um espaço disponível", caso o Estado queira de facto "confiar à cidade do Porto a gestão de uma coleção Miró que tem uma capacidade expositiva e museológica importante".

Rui Moreira, que lembrou São Tomé ao dizer "vamos ver" se a transferência das obras para o Porto se confirma, realçou que ainda vai ser preciso acordar os termos e as condições de depósito.

"A boa noticia é que finalmente ao fim de tanto tempo parece que se percebeu que esta coleção fica bem no Porto", acrescentou o presidente da câmara.

Luís Filipe Castro Mendes indicou ao Público que o desafio vai ser lançado ao Porto, a toda a sociedade, às entidades que tiverem interesse, e comentou que "se Câmara do Porto tiver uma solução, será uma notícia interessante".

Entretanto, "Joan Miró: Materialidade e metamorfose" é o nome da exposição, a partir das 84 obras do pintor catalão, pertencentes ao Estado português, a inaugurar a 30 de setembro, em Serralves, com curadoria do historiador Robert Lubar Messeri, de acordo com o texto sobre a exposição patente na página de Serralves e entretanto retirado.

Segundo a Fundação de Serralves, a mostra, com desenho arquitetónico de Álvaro Siza Vieira, vai incluir de 75 a 80 obras de Miró, na maioria desconhecidas do público, incluindo seis das suas pinturas sobre masonite, de 1936, e também seis "sobreteixims" (tapeçarias), de 1973.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".