Robert Kopp: "Baudelaire acreditava no poder redentor da poesia"

O especialista em Baudelaire Robert Kopp está hoje e na quinta-feira no Centro Cultural de Belém para falar do poeta maldito, viciado em drogas, sifilítico, gastador e em cuja inspiração estão as prostitutas...

Quando se lhe pergunta se a viagem vale a pena, Kopp refere que só por se estar no 150.º aniversário da morte de Baudelaire seria uma boa razão. Quanto aos defeitos apresentados, o crítico de arte concorda que "é verdade que era sifilítico, viciado e maldito, mas não é como se tivesse tomado sobre si os pecados do mundo moderno".

Até que ponto a revolução de Baudelaire ainda se mantém?

A revolução de Baudelaire sente-se até hoje a vários níveis. Primeiro, orientou a poesia moderna num sentido que era impensável antes. Há um período antes e depois de Baudelaire. Abriu caminho para Rimbaud, Verlaine, Mallarmé e, para além destes, a Valéry, Pierre Jean Jouve, Bonnefoy e muitos outros. Lamartine, Victor Hugo e Gautier cantam nos seus versos a natureza, o amor, a perda do ser amado. Pega nos temas que a poesia lírica sempre tratou e coloca-os numa nova forma. Baudelaire escolheu como tema a consciência dilacerada do homem moderno, dividida entre o spleen e o ideal, vulnerável às solicitações do mundo moderno e exposta ao seu utilitarismo e materialismo. Ao testemunhar uma mudança de civilização, perguntou-se qual seria o lugar da arte num mundo que cultuava o progresso.

"Hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère!" Esta é a provocação baudelariana preferida de muitos especialistas. Também é a sua?

Com essa interpelação, Baudelaire quer desafiar o leitor e dizer-lhe que a descida ao inferno da consciência humana, o mergulho no abismo da alma do poeta, representado por As Flores do Mal, não é o retrato de um ser excecional mas o de todos os homens. Talvez prefira outro verso desse grande poema: "É o Diabo que segura os fios que nos movem!"

Não estão a esquecer-se outras vozes quando se afirma que Baudelaire é o primeiro poeta da era moderna?

Não, dizer que é o primeiro dos poetas modernos - qualquer que seja a sua língua, pois a sua influência foi imensa em Inglaterra, na Alemanha, em Espanha, em Portugal e em todos os lugares - não é esquecer Rimbaud, Mallarmé, Verlaine, Apollinaire ou Oscar Wilde.

Como obteve este estatuto se nem era crente no poder redentor da poesia?

Pelo contrário, Baudelaire acreditava precisamente no poder redentor da poesia. Lembre-se do poema "Os Luminares", que celebra a dignidade dos grandes criadores - Da Vinci, Rubens, Rembrandt, Goya, Delacroix - e termina com estes versos: "Haverá, ó deus,/ Melhor testemunho do que esse/ Que te possamos dar da nossa dignidade?/ Esse eco que ouvis morrer/ Na vossa eternidade/ É o soluço ardente/ Que ritma o humano tempo." O poeta tenta redimir-se pela poesia. "Deste-me a tua lama e eu fiz ouro", este outro verso de um projeto de epílogo para As Flores do Mal retrata perfeitamente a ambição de Baudelaire.

Transformar a sua tragédia em obra de arte foi assim tão inovador?

Sim, Baudelaire conseguiu transformar a miséria do homem moderno, a sua fealdade moral, numa obra de arte. Um pouco como Santo Agostinho e Pascal.

Até que ponto a tradução de Edgar Allan Poe transformou a sua linguagem?

Não acho que o inglês de Poe tenha tido grande influência na prosa do próprio Baudelaire. Para os anglo-saxões, Poe é um autor menor. Foi Baudelaire, com a sua brilhante tradução, que o tornou um grande clássico da prosa francesa, pela concisão e precisão de linguagem.

Concorda com chamar-se a Baudelaire um poeta escandaloso ou não passa de marketing da época?

Baudelaire escandalizou muitos dos contemporâneos, se assim não fosse a justiça do II Império não o teria processado por insultar a religião, a moralidade pública e os bons costumes. Escandalizou como Flaubert, que também foi levado à justiça mas absolvido, enquanto seis poemas de Baudelaire foram condenados. Só é reabilitado em 1949.

Apesar da diferença, Les Fleurs du Mal e Le Spleen de Paris serão mais do que um jogo de espelhos para o poeta?

Mostrei na minha edição de Spleen de Paris que Baudelaire queria fazer pequenos poemas em prosa que fizessem pendant com as Flores do Mal. Baudelaire pensou que tinha esgotado as possibilidades da poesia em verso e, talvez, sem o julgamento, não tivesse continuado nessa direção, uma vez que outra via, mais adequada à Paris moderna da transformação de Haussmann, se abria diante dele: uma poesia da banalidade, da vida quotidiana, do evanescente.

Sente vontade de "desmascarar" Baudelaire ou aprecia-o assim?

Não, quero apresentá-lo tal como é: escandaloso, irredutível, provocador, politicamente muito incorreto! Baudelaire não é o académico clássico de O Albatroz, mas um autor que coloca o dedo na ferida: a decadência do homem moderno. Baudelaire está no lado oposto a Rousseau, que acredita - e muitos dos contemporâneos seguem-no, infelizmente! - que o homem nasce bom. O homem é um potencial criminoso. A história dos últimos 150 anos prova-o...

Como é a perceção dos jovens franceses perante a obra de Baudelaire?

É um clássico. É lido no ensino secundário. Mas, evidentemente, as páginas mais violentas não são estudadas...

É autor de Baudelaire: Le Soleil Noir de la Modernité. Surpreendeu-se enquanto investigava o poeta?

Sempre que abro um texto de Baudelaire surpreendo-me. Pela riqueza e beleza dos seus versos e da sua prosa. Podemos ouvir Wagner infinitamente e irá sempre surpreender-nos. É particularidade das obras-primas serem inesgotáveis. Então, no meu livro, queria mostrar que a modernidade de Baudelaire era ambígua, ele era fascinado pelo mundo moderno e odiava-o. Odiava o progresso, a indústria do entretenimento, o romance folhetim, o teatro de boulevard, a mania das viagens, ou seja, tudo o que faz uma pretensa civilização. Apliquemos a lição de Baudelaire ao turismo moderno: "O mundo, monótono e pequeno, hoje,/ Ontem, amanhã, sempre nos faz ver a nossa imagem/ Um oásis de horror num deserto de tédio!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)

Premium

Viriato Soromenho Marques

O monoteísmo do "deus dólar" continua

Em 1866, o jovem Eça de Queirós aproveitou a passagem por Lisboa do moderníssimo couraçado norte-americano USS Miantanomah para escrever na imprensa algumas notas penetrantes sobre a identidade dos EUA. No essencial ele identificava uma tensão matricial em Washington, definida pela oposição entre o "deus dólar", que explicava a violência expansiva, mesmo desumana, do seu capitalismo, e o impulso para a "justiça", traduzido na abolição da escravatura ao preço do enorme sacrifício da Guerra Civil, terminada no ano anterior. Gostaria muito de poder subscrever a tese de que nas recentes eleições intercalares a justiça prevaleceu sobre a idolatria do capital. Infelizmente, o sinal positivo dado pelos eleitores é ainda insuficiente para atenuar a gravíssima patologia da democracia nos EUA.