Rir ou não rir com este Leão?

O DN desafiou dois comediantes a ver O Leão da Estrela. Será que dois especialistas de humor acharam piada ao filme?

Não há FC Porto vs. Sporting nesta nova versão do clássico de Arthur Duarte. O novo O Leão da Estrela, de Leonel Vieira, chegado aos cinemas logo após o maior fenómeno de bilheteiras da história do cinema português, inventa um novo Anastácio, um fanático da bola que torce pelos leões de Alcochete. Miguel Guilherme volta a recuperar uma personagem de António Silva, mas em vez de uma rivalidade de primeira divisão, este adepto agora viaja com a família até ao Alentejo profundo, local do jogo do título de um campeonato regional de III Divisão. Este Anastácio faz das tripas coração para assistir ao clássico Barrancos do Inferno-Leões de Alcochete. Pelo meio, há um subenredo com uma outra família de origens mais burguesas. Humor de situação, comédia de equívocos para os nossos dias. Tem piada?

Quisemos saber se para além dos críticos, os comediantes conseguem encontrar motivos para não rir nesta comédia de Leonel Vieira. Não lhes pedimos para criticar o filme, apenas para comentarem o humor. Os humoristas escolhidos, Paulo Almeida e Vasco Duarte são da nova geração e ambos gostavam de se ter rido com este remake. Dizem que não se riram: "O filme está cheio de clichés, mas também compreendo que possa ser feito desta maneira, pois é comercial. É claro que se fosse eu a dar as ideias de humor seria outra coisa, mas provavelmente não seria um êxito... Infelizmente, este O Leão da Estrela deveria ter mais humor, aquela coisa do sotaque alentejano não resulta e a personagem da empregada é demasiado fórmula. Mesmo assim, vejo aqui uma vitória: o Miguel Guilherme", começa por dizer Paulo Almeida.

Vasco é mais direto: "vinha com vontade de gostar deste filme, fico mesmo com pena, até porque acho que estes remakes fazem todo o sentido. Sou dos que acho que o antigo tinha mesmo piada. Claro que estava à espera de piadas muito melhores e de não apanhar com tantos clichés. Além do mais, o lado da caricatura falha pelo exagero." Quando perguntamos se preferiu a derivação O Lampião da Estrela (2000), um telefilme de Diamantino Costa, não hesita: "sim, é melhor, estava muito mais atual no seu tempo do que este. O papel do Herman era mais divertido do que o do Miguel Guilherme, um grande ator mas que aqui está apagado. Também fiquei com muita pena de ver um comediante como o Aldo Lima tão cinzento, tão forçado... Só digo que neste momento, na comédia e no cinema, pessoas com muito menos estão a fazer muito mais."

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.