Rihanna cancelou atuação nos Grammy e Lady Gaga prestou tributo a Bowie

Problemas médicos terão levado à saída da cantora sem atuar

A cantora Rihanna cancelou à última hora a atuação prevista para a noite de segunda-feira na 58.ª edição dos Prémios Grammy, em Los Angeles, EUA, invocando problemas vocais.

Rihanna, originária dos Barbados, foi vista a entrar no Staples Center, em Los Angeles, onde tem lugar a gala, mas a cerimónia prosseguiu sem a sua atuação.

Fontes da produção do evento indicaram ao portal TMZ que a artista abandonou o recinto após os ensaios devido a problemas de bronquite.

Apesar de se ter oposto inicialmente a renunciar à atuação, Rihanna acabou por acatar as recomendações de um médico no local da gala, tendo a cantora deixado o lugar sem desfilar pela passadeira vermelha.

Estava previsto que a artista interpretasse a música "Kiss It Better" do seu novo álbum "ANTI", lançado em janeiro.

Rihanna fazia parte das atuações previstas para a 58.ª edição dos Prémios Grammy, cuja cerimónia teve início às 17:00 (01:00 em Lisboa).

O tributo de Lady Gaga a David Bowie foi um dos momentos que marcaram a cerimónia, em que também foram homenageados outros músicos falecidos, como Glenn Frey, Maurice White ou B.B. King.

Com um jogo de luzes que desenhou sobre a sua face os mil e um rostos do camaleónico David Bowie, Lady Gaga ofereceu um espetáculo muito visual e colorido, que cruzou músicas do artista britânico como "Space Oddity", "Changes" ou "Ziggy Stardust", com o grande final a chegar com "Heroes" e a exibição de uma imagem de David Bowie sobre um fundo espacial.

O tributo a Bowie não foi o único da noite, já que Jackson Browne e os membros dos The Eagles tocaram juntos "Take It Easy" para honrarem o desaparecido Glenn Frey.

Além disso, Stevie Wonder recordou Maurice White, fundador dos Earth, Wind & Fire, enquanto Chris Stapleton, Gary Clark Jr. e Bonnie Raitt se juntaram em palco em memória do guitarrista de blues B.B. King.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.