Ricardo Ribeiro lembrou-se de Zeca Afonso em outubro

Pode ser fado ou pode não ser esta Carta Branca do CCB a Ricardo Ribeiro. Um espetáculo de liberdade e "magia" sobe amanhã ao palco do Grande Auditório, com direção musical de Filipe Raposo e seis músicos em palco

Porquê? "Eu tinha outras ideias mas esta foi aquela que prevaleceu sobre todas as outras. Há muito tempo que eu queria cantar a obra do Zeca Afonso, porque é compositor extraordinário e que a mim me seduz imenso e me faz viajar. E porque também só se lembram do Zeca Afonso em abril e eu resolvi lembrar-me em outubro." Ricardo Ribeiro termina a frase com um enorme sorriso. O mesmo sorriso que pontuará esta conversa na zona invisível do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, onde não tardariam a começar os ensaios do espetáculo em que o CCB deu Carta Branca a Ricardo Ribeiro.

O fadista que neste Tributo a José Afonso não será fadista mas também pode ser, porque o fado - diz-nos - é o sangue dele. "Como o fado é a minha linguagem talvez haja uns pequenos traços. Se as pessoas sentirem isso, muito bem, agora que eu faça para isso acontecer, não." Até porque Ricardo Ribeiro leva para o palco instrumentos (e músicos) que não são do fado - como um saxofone, um piano, um contrabaixo, guitarras e percussão. "Exatamente", anui. "Como o Zeca Afonso não era do fado, era da música, era um criador."

Do outro lado da mesa no bar dos artistas senta-se Filipe Raposo. Pianista e compositor, assume a direção musical do projeto que vai juntar seis músicos em palco. "Conheces esta, conheces aquela. Mas olha esta eu quero fazer, e esta. Ai gostas dessa, tens ali aquela, ouve lá isso, ele foi o grande catalisador, porque eu sou um mau juiz em causa própria. Então o Filipe foi uma peça muito importante, para além de ser o diretor musical deste concerto e desta magia musical que vai acontecer. Também escolhemos os músicos em conjunto. Eu já trazia dois que queria muito que participassem, o Jarrod Cagwin, das percussões, e o Ricardo Toscano, do saxofone, e o Filipe chegou e disse então o contrabaixo será o António Quintino e nas guitarras o Mário Delgado", conta Ricardo.

Uma hora depois juntar-se-iam todos na sala de ensaio. Primeiro a voz de Ricardo e o piano de Filipe começam a dar forma a Senhora do Almortão, depois chega Jarrod de malas aviadas - É o percussionista que eu mais amo", diz-nos o anfitrião deste encontro, "é o percussionista do Rabih Abou-Khalil", o alaudista libanês com quem Ricardo também canta. Quando o norte-americano acaba de montar toda a parafernália de ritmos, já Mário aquece as cordas da guitarra. António, mais despachado, retira o enorme contrabaixo do saco e ainda ajuda Jarrod a mover-se com todos os instrumentos formando um círculo que só se fecharia com Ricardo Toscano a aterrar com o seu saxofone - "desculpem o atraso".

É então que as pautas se começam a juntar. Ricardo Ribeiro recusa o protagonismo: "Nós somos um. Eu canto e oiço os músicos. Eu entro dentro dos músicos todos e todos entram dentro de mim. Não gosto da música como ato solitário. Eu gosto de ser acompanhado e de acompanhar. É uma questão de diálogo, somos um. Sendo cantor, eu sou um frontman, faz mais nervoso porque vou cantar palavras, poesia, mas para mim a música funciona como uma unidade", diz, acentuando que há ali espaço para a liberdade. Como em Zeca Afonso. "Eu ouvi o concerto dele, já muitas, muitas vezes, o do Coliseu. É fantástico. Ele é muito livre... é difícil para mim porque ele troca palavras a uma dada altura, não sei se é de propósito, se é ele que se engana, o ritmo também muda. E depois vêm coisas musicais muito interessantes", reflete. Para além dos temas de Zeca, haverá "uma pequena melodia" da autoria do fadista. "O Filipe diz que eu devia tocar porque é bom e eu acreditei nele e vamos tocar. Chamei-lhe Glória a José Afonso."

Ao contrário de Filipe, que começou a ouvir Zeca Afonso em casa dos pais aos sábados de manhã porque a vizinha de cima "colocava sempre o mesmo disco do Zeca a altos berros", Ricardo não se lembra quando começou a escutá-lo. "Apareceu o Vejam Bem ou o Venham Mais Cinco ou Os Índios da Meia Praia, e sempre gostei muito. E disse sempre, um dia hei de cantar Zeca Afonso, porque não? É uma necessidade, porque a música é uma necessidade para todos os músicos que vivam dela. E eu tinha esta necessidade e lembrei-me: vou cantar Zeca Afonso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.