Novo Banco cede "Retrato da Condessa de Verdun" ao Museu de Arte Antiga

Considerado uma "das obras mais significativas" da Coleção do Novo Banco, o quadro vai ficar em depósito no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa a partir de sexta-feira

A obra Retrato de Anne Catherine Le Preudhomme, Condessa de Verdun, estará a partir de sexta-feira no Museu Nacional de Arte Antiga. A cerimónia de assinatura do protocolo de cedência da peça nunca exposta do Novo Banco ao museu está marcada para sexta-feira, data em que se comemora o Dia Internacional dos Museus, às 17.00, com a presença do ministro da Cultura, do diretor do museu, António Filipe Pimentel, e do presidente do Novo Banco, António Ramalho.

A peça que ficará em depósito no MNAA data de 1782 e é pintada por Élisabeht Louise Vigée Le Brun, "uma das mais interessantes pintoras francesas da segunda metade do século XVIII", segundo comunicado do museu. A retratada, Condessa de Verdun, era a melhor amiga da pintora francesa e, na altura, tinha 22 anos, tendo sido representada de busto, vestida de modo informal e campestre.

Em março, o ministro Luís Filipe Castro Mendes - quando da apresentação, no museu, da pintura A Anunciação, do artista Álvaro Pires de Évora, adquirida pelo Estado, num leilão, em Nova Iorque - tinha anunciado que o MNAA iria receber uma peça "das mais significativas" da Coleção do Novo Banco.

O anúncio surgia na sequência do acordo, firmado no Museu Nacional do Coches, para a cedência de um conjunto de obras de arte da propriedade do banco para várias instituições culturais públicas de todo o país. O primeiro protocolo, em janeiro, cedeu ao Museu Nacional dos Coches o óleo Entrada pública em Lisboa do Núncio Apostólico Monsenhor Giorgio Cornaro, do século XVII, com uma representação rara de um cortejo de coches e berlindas no Terreiro do Paço. Seguiu-se um protocolo com o Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, para a cedência de uma pintura do século XVII, atribuída a Jan Fyt, Natureza morta de flores.

A obra da pintora Elisabeth Louise Vigée Le Brun - nascida em Paris, em 1755 - sobretudo os inúmeros retratos que fez, "é a narrativa de uma sociedade aristocrática num mundo em total transformação, que terá como desfecho a Revolução Francesa em 1789".

A sua longa carreira - faleceu aos 87 anos - passou por Bolonha, Roma, Nápoles, Berlim, Viena, Londres, Genebra e Moscovo, entre outras cidades europeias.

Criado em 1884, o MNAA acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga do país, em pintura, escultura, artes decorativas portuguesas, europeias e da Expansão Marítima Portuguesa, desde a Idade Média até ao século XIX, sendo um dos museus nacionais com o maior número de obras classificadas como tesouros nacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.