Quadro de Picasso de 58 milhões danificado num acidente

Obra de arte iria hoje a leilão. Deverá ser restaurada, no entanto, sem confirmação se irá ou não ser trazida novamente a leilão

A leiloeira Christie's teve de retirar um quadro de Pablo Picasso que deveria ir hoje a leilão, em Nova Iorque, após ter sido danificado num acidente. A obra está estimada em 58 milhões de euros.

"Le Marin", pintado em 1943, era uma das estrelas do leilão de arte moderna que a Christie's realiza hoje, mas a leiloeira foi forçada a retirá-lo quando reparou no dano durante a preparação da obra para venda.

De acordo com os especialistas, o quadro poderá ser um autorretrato de Picasso devido às parecenças da figura da peça, propriedade do magnata dos casinos Steve Wynn.

O quadro deverá ser agora restaurado, mas a Christie's não indicou se irá trazê-la novamente a leilão.

Wynn, um conhecido colecionador de arte, foi notícia nos últimos meses pelas denúncias de abuso sexual de que foi alvo.

Com o quadro de Picasso fora do leilão, mantêm-se em foco outras obras valiosas, como o quadro de Vincent Van Gogh "Vue de l'asile et de la Chapelle de Saint-Rémy", com estimativa de 29 milhões de euros, que foi propriedade da atriz Elisabeth Taylor durante 50 anos, e "Suprematist Composition", do artista vanguardista russo Kazimir Malevich, pintado em 1916, vendido em 2008 por 50 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".