Rentrée literária forte e com livros um pouco mais caros

As novidades que vão ser lançadas até ao Natal surpreendem pela qualidade. E nota-se um ligeiro aumento no preço dos livros...

A rentrée literária deste ano vai provocar água na boca aos leitores tal é a quantidade de bons livros que estão para chegar entre esta semana e até ao Natal. E não se pode dizer que seja uma ou outra editora especificamente que aposta forte porque é o que acontece com todas conforme se pode ver nas listas de novidades que já divulgaram. Portanto, é bom começar a pôr algum dinheiro de lado porque há muitos livros sedutores e até títulos que se irão tornar sucessos editoriais pela certa. Mesmo que se note um ligeiro aumento do preço de venda ao público dos livros, situação que tem vindo a acontecer ao longo deste ano. Designadamente nos livros de preço médio, entre os 14 e os 18 euros, e mais notoriamente naqueles acima dos 20 euros, nos quais as editoras tabelam pelos 22 euros para que, com o desconto nas grandes superfícies, surjam abaixo das duas dezenas de euros.

Se houvesse que destacar um dos best-sellers obrigatórios desta estação, ele poderia ser o novo livro que dá continuação à saga Harry Potter, uma história original de J.K. Rowling que foi adaptada por John Tiffany e Jack Thorne ao teatro. A peça Harry Potter e a Criança Amaldiçoada tem todos os ingredientes para, a partir já do dia 24, liderar as tabelas de vendas, até porque a adaptação está conseguida e os leitores das intrincadas histórias do jovem feiticeiro - aqui muito mais velho - não desiludiu os que já leram a versão inglesa.

Entre as outras grandes novidades estrangeiras está o romance sensação da Feira de Frankfurt de 2014, As Raparigas, da estreante Emma Cline. Um livro que tem como cenário a Califórnia no verão de 1969 e é protagonizado por Evie, uma adolescente insegura e solitária que se junta a um grupo de raparigas e fica fascinada com a aura de abandono que as envolve. O enredo do romance não se destina a leitores jovens, antes a todos pois existe uma ligação ao assassino psicopata Charles Manson, e está repleto de drogas e amor livre. Está a ser traduzido em 25 países e prevê-se a sua adaptação cinematográfica para breve.

A nível das grandes novidades nacionais, estão dois romances completamente diferentes, além do tradicional romance de outono de António Lobo Antunes, que o próprio considera um dos seus melhores trabalhos.

Trata-se de mais um thriller de José Rodrigues dos Santos, que interrompe a publicação da trilogia em curso e retorna ao seu protagonista mais bem sucedido, Tomás de Noronha. O livro tem como título Vaticanum e não será editado como é habitual no fim de outubro mas logo no início, a dia 6.

A outra novidade portuguesa que é aguardada com bastante interesse é o regresso à ficção do escritor Valter Hugo Mãe após o bem sucedido romance A Desumanização. A história passa-se no Japão de há alguns séculos e relata a convivência entre o artesão Itaro e o oleiro Saburo, que habitam numa região de conflitos e onde é difícil manter uma boa vizinhança. O romance intitula-se Homens imprudentemente poéticos, um título que só por si faz suspeitar da beleza existente nesse texto.

Fora destes prometidos sucessos literários, existem ainda alguns grandes romances estrangeiros e nacionais até ao fim do ano. É o caso do novo livro do autor norte-americano Don de Lillo, intitulado Zero K, bem como o livro póstumo de Umberto Eco, Pape Satàn Aleppe, onde reúne dispersos.

Em português, acontece o regresso de um autor que até há pouco era um ilustre desconhecido, José Gardeazabal, que recebeu com História do Século Vinte o Prémio INCM/Vasco Graça Moura) e agora vai publicar Dicionário de Ideias Feitas em Literatura. Ainda sem uma certeza de publicação, está o novo romance de Hélia Correia. Já tem título, Um Bailarino na Batalha, mas desconhece-se se a bissexta autora o entregará à editora antes do Natal.

Algumas novidades

O livro que mais vende em todo o mundo, a Bíblia, será uma das grandes novidades desta rentrée literária nacional. Porquê? É que o tradutor da Ilíada e Odisseia, Frederico Lourenço decidiu pôr mãos à obra e propõe aos leitores uma nova versão da obra, que permite ler todos os 80 livros que fazem o relato religioso. O primeiro volume sai ainda este mês.

A história violenta da participação das mulheres russas no Exército Vermelho é outra das grandes novidades, uma das investigações que deu o Prémio Nobel a Svetlana Alexievich.

O título é simples, A Vegetariana, e a autora, Han Kang, uma quase desconhecida até ter recebido com este romance intrigante o prémio Man Booker. Tudo começa quando a protagonista tem um sonho e decide tornar-se vegetariana, o que vai ter sérias implicações na sua relação com a família.

José Viale Moutinho recolhe e explica Todos os Contos, Novelas Curtas e Romances Breves de Camilo Castelo Branco numa série de quatro volumes da Camiliana, que inclui também Cartas Escolhidas e Textos Polémicos.

Se há autor que reúne consenso sobre a sua genialidade, mesmo que seja um machista e reacionário declarado, é o brasileiro Nelson Rodrigues. Os leitores vão ter acesso a duas coletâneas de textos: A Vida Como Ela É... e O Homem Fatal.

É, sem dúvida, um dos autores estrangeiros que mais convenceu os portugueses a ler um longo relato romanesco inspirado na sua vida familiar. Trata-se de Karl Ove Knausgard que, depois de A Minha Luta, vai ter publicados quatro volumes de ensaios com títulos das estações do ano. O primeiro será Outono.

O sisudo autor Ian McEwan decidiu alterar o rumo da sua carreira e escrever uma comédia: Numa Casca de Noz. Vai ser uma surpresa, porque além da história bastante original é tão divertida como cáustica.

Entre os grandes ensaios desta rentrée está o volume Violência e Islão do poeta sírio Adonis. Apesar da sua poesia não ser publicada em Portugal, este conjunto de textos explica o poeta e a sua visão sobre o extremismo islâmico, desde Palmira a Paris, do fracasso da Primavera Árabe ao ressurgimento do Estado Islâmico.

A visão de Thomas Mann sobre os grandes acontecimentos políticos e sociais do seu tempo vão ser publicados no volume Um Percurso Político. Uma análise a não perder já na próxima semana.

O tema religião está cada vez mais presente na sociedade e é dessa realidade que o teólogo Anselmo Borges produz um magnífico ensaio, intitulado Deus, Religiões e (In)Felicidade.

Falar de literatura é o objetivo de Julio Cortázar em Aulas de Literatura - Berkeley, 1980, onde se reproduzem as aulas do autor de Rayuela.

Os leitores têm exigido produção ensaística e são vários os volumes nesta rentrée. Destaque para Do Medo à Esperança, uma investigação a quatro mãos de Raquel Varela e António Coimbra de Matos sobre como vencer o medo social e individual. Ou Quem Governa o Mundo?, de Noam Chomsky; O Euro, de Joseph Stiglitz, e A Guerra Secreta, do historiador Max Hastings.

Para quem gosta de rock, sairá ainda este mês a autobiografia de Bruce Springsteen, que promete grandes revelações, tal como explicar o truque de magia com que consegue seduzir milhares de fãs em espetáculos, bem como intimidades da sua vida criativa.

Os policiais estão na moda em Portugal e os leitores terão direito a uma boa dose de suspense até ao Natal. É o caso dos novos de Dolores Redondo, Oferenda à Tempestade, que completa a Trilogia do Baztán; ou o Sara Blaedel com o Trilho da Morte, e Rex Stout com Picada Mortal, mais um volume da Coleção Vampiro.

Não faltarão livros para os mais jovens e A Rainha das Cores, de Jutta Bauer, é já o primeiro. A premiada ilustradora alemã recebeu o Prémio Hans Christian Andersen, o "pequeno" Prémio Nobel da Literatura. A seguir, regressam as aventuras de Robert Muchamore, desta vez com A Academia. Em novembro, o aguardado 11º volume da série O Diário de um Banana, Tudo ou Nada.

Não vão faltar outros livros de autores portugueses. É o caso de Conversas no Café Gelo, de Victor Sousa Lopes, onde se conta o tempo de há 70 anos, quando se acolhiam refugiados da II Guerra Mundial. Mas há mais, como o esperado de Adoração de Cristina Drios; o inesperado O Evangelho segundo Lázaro, de Richard Zimler; contos de Teolinda Gersão, Prantos, amores e outros desvarios; o novo de Adília Lopes, Bandolim; As fabulosas histórias da Tapada de Mafra, de Cristina Carvalho; o romance de Álvaro Laborinho Lúcio, O Homem que Escrevia Azulejos; A Ira de Deus Sobre a Europa, de José Rentes de Carvalho...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".