Rejeição de fundos não compromete exposição de Amadeo no Porto

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) garantiu que a rejeição da candidatura para a modernização do Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, não vai impedir a realização da mostra

Em resposta à Lusa, a assessoria de imprensa da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) disse que o Museu Nacional de Soares dos Reis "assumirá a execução" da exposição que vai recriar a única mostra de Amadeo de Souza Cardoso, no Porto, que decorreu em 1916, e que deverá ser inaugurada no dia 01 de novembro, com curadoria de Raquel Henriques da Silva e de Marta Soares, ficando no Porto até 01 de janeiro de 2017 antes de abrir, em Lisboa, a 12 desse mês.

A candidatura a fundos comunitários foi submetida pela DGPC em parceria com os Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis a 31 de março no âmbito do Norte 2020 e rejeitada "por não cumprir todos os requisitos necessários", segundo a DGPC.

Também em resposta à Lusa, fonte oficial da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) explicou que "a candidatura com a designação 'Museu Nacional Soares dos Reis - Modernização e Dinamização' foi apresentada ao Norte 2020 ao concurso 'Património Cultural', não tendo sido admitida para a atribuição de financiamento após a análise da sua elegibilidade em conformidade com o regulamento do concurso".

"Face aos critérios estabelecidos, verificou-se que a candidatura não assegurava determinados requisitos de admissibilidade, designadamente o grau mínimo obrigatório de maturidade que permita lançar o procedimento concursal assim que o cofinanciamento seja aprovado. Em causa está, por exemplo, a falta de projeto técnico de execução (arquitetura e especialidades) aprovado", acrescentou a CCDR-N, que realçou que a DGPC e os Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis podem voltar a apresentar um projeto.

Algo que a DGPC reconheceu estar já em curso, "contando submeter a candidatura de novo, até ao final do mês de agosto 2016".

Em abril, a DGPC disse que "o objetivo primeiro desta candidatura foi poder corresponder à necessidade de concretizar os projetos decorrentes dos últimos 10 anos de trabalho do museu", sublinhando que as ações em causa se prendem com três vertentes: reconversão e modernização infraestrutural, internacionalização e dinamização de conteúdos, e capacitação.

Por seu lado, o Círculo Dr. José de Figueiredo -- Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis explicou, num texto enviado à Lusa, que a candidatura, num montante de 2,5 milhões de euros, "visa a modernização e dinamização da programação e das infraestruturas de forma a permitir uma melhor fruição pública".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.