Reino Unido como íman para moderna composição portuguesa

Chegada do Ano Britânico à Casa da Música tem o seu reverso no Reino Unido como
destino de muitos compositores portugueses nos últimos 20 anos em busca de formação avançada e de oportunidades de afirmação

O que explica a atual pujança da música britânica em termos de criação? Foi um pouco para tentar obter uma resposta a esta questão que procurámos quatro compositores portugueses, de linguagens bem diferenciadas, que escolheram o Reino Unido na fase terminal dos seus estudos. São eles Carlos Azevedo, 52 anos, natural de Vila Real, mas fixado no Porto; Ângela da Ponte, 32 anos, açoriana de Ponta Delgada e também radicada no Porto; e os lisboetas Gonçalo Gato, 37 anos, e Nuno Dario, 42 anos.

A atratividade do Reino Unido e seu meio académico é fenómeno recente na composição em Portugal. Curiosamente, o moderno ensino da disciplina no nosso país teve num pedagogo e compositor inglês aqui fixado - Christopher Bochmann - figura marcante.

Respondendo à questão com que começámos, Ângela, uma mui recente doutorada pela Universidade de Birmingham, aduz: "a grande liberdade de expressão que motiva os compositores a desenvolverem a sua própria linguagem" e o "investimento das universidades em material e espaços". Por outro lado, "há uma convivência harmoniosa entre a academia e todo o "submundo" das expressões alternativas e experimentais". Já Carlos, que concluirá em breve o seu Doutoramento na Universidade de Sheffield, refere primeiramente o "muito investimento em encomendas, gravações e promoção da sua música; além do investimento em pessoas e estruturas", reforçado pelas "muitas escolas, onde estão grandes referências da composição e pedagogia". Tudo parte de uma "aposta deliberada na criação nova, que lá é maciça". E conclui: "com isto tudo, depois é uma "bola de neve"!".

Nuno Dario, que terminou o doutoramento na londrina Royal Holloway em 2013, começa por salientar "a multiculturalidade e a absorção do que é diverso, alternativo, novo", geradora de "grande liberdade criativa e de espaços de experimentação". Noutro plano, define as universidades como "pólos criativos, onde se gosta de experimentar e descobrir novos caminhos, e onde há uma cultura de estar na vanguarda". Por fim, Gonçalo, doutorado em 2015 pela Guildhall School de Londres, defende que os ingleses "perceberam que a inovação dá poder simbólico e liderança. E isso atrai as pessoas a irem para lá". Mais diz: "eles abraçam as ideias novas pois sabem que ali poderão estar propostas estéticas com futuro". E coincide com Carlos na identificação de um "esforço por estar na linha da frente", que é "uma filosofia muito enraizada", abraçando a noção de "uma sociedade envolvida na celebração da arte".

Gonçalo teve por orientador o compositor Julian Anderson e do seu mestre destaca uma obra que ouviremos em outubro: "a Alhambra Fantasy, uma obra importante pela liberdade estética que exibe e pelas inquietações que gera". Deste fim de semana de abertura do Ano Britânico na Casa da Música, Gonçalo, à semelhança de Ângela e Carlos, destaca Earth Dances de Birtwistle: uma "peça fundamental", à qual, diz-nos Ângela, "já chamaram a Sagração da Primavera do século XXI". Já Carlos fala de "uma obra potentíssima, que leva o pessoal aos píncaros".

Mas Carlos espera outra coisa: "no dia 31, estreia uma obra minha, pelo Quarteto de Matosinhos. Chama-se Brexit? e acaba com uma citação toda desafinada da Marcha de Pompa e Circunstância, do Elgar! Mas é só uma blague, não um statement político!", acautela. Dos compositores ingleses que se ouvirão no Porto, destaca "Adès e Birtwistle, pela mestria de escrita: não são capazes de escrever senão bem" e lamenta só que não se ouça "obras de [Mark-Anthony] Turnage e de [Simon] Bainbridge, e de mais mulheres para além da Rebecca [Saunders]". Igual reparo faz Ângela em relação às compositoras e a Turnage, a que junta "a falta da música eletrónica, que tem forte presença em Inglaterra". Gonçalo gostaria que houvesse algo de Michael Finnissy, enquanto que Nuno refere nomes ligados à área audiovisual (onde ele se move) suficientes para um novo "veio" de programação: "George Fenton, John Hopkins, Tansy Davies, Anna Meredith, Gabriel Prokofiev, Max Richter".

E quem sabe, talvez se encontrem todos quatro este fim de semana na Casa da Música.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".