Refeições proibidas no Panteão Nacional

Foram hoje publicadas em Diário da República as novas regras de utilização dos espaços dos serviços e imóveis afetos à Direção-Geral do Património Cultural.

Ainda se lembra daquele jantar no Panteão Nacional, durante a última Web Summit? De acordo com as novas regras hoje publicadas em Diário da República não voltará a acontecer.

"As principais alterações contempladas no novo Regulamento são a revisão de todos os espaços e das características dos eventos que podem ser realizados em cada um deles, o que inclui, nomeadamente, a regra de que no Panteão Nacional só podem ser autorizados eventos de natureza cultural", refere um comunicado do Ministério da Cultura enviado às redações.

A mesma nota sublinha que com a publicação deste despacho n. 2884/2018, hoje publicado, "fica igualmente estabelecida uma regra geral que proíbe a realização de refeições nos espaços com estatuto de Panteão, como são alguns dos espaços no Mosteiro de Santa Maria da Vitória (Batalha) e do Mosteiro dos Jerónimos (Lisboa). De notar que essa restrição não se aplica a todo o conjunto edificado, mas apenas aos locais com estatuto de Panteão".

"No Panteão Nacional, instalado na Igreja de Santa Engrácia, só podem ser autorizados eventos de natureza cultural, criteriosamente selecionados e enquadrados com a dignidade dos espaços", define o revisto Regulamento de Cedência de Espaços, que entra em vigor amanhã e revoga o despacho n.º 8356/2014, publicado no Diário da República, a 27 de junho de 2014.

Regra igual aplica-se também a alguns dos espaços do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha. "No Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, igualmente com o estatuto de Panteão Nacional, apenas podem ser autorizados os eventos constantes do Anexo I a este Regulamento, nos espaços nele identificados."

Olhando para esse anexo, verifica-se que refeições no Mosteiro da Batalha só serão possíveis no Claustro D. Afonso V - três mil euros para a realização de um jantar, metade do valor para um cocktail. O Claustro Real e as Capelas Imperfeitas podem só ser palco de eventos culturais.

Nos Jerónimos, apenas o Antigo Refeitório poderá receber cocktails, não estando permitidos jantares em qualquer dos espaços. Com uma capacidade de 200 pessoas, um cocktail no Antigo Refeitório do Mosteiro dos Jerónimos passa a custar 7500 euros.

Já o Panteão Nacional não poderá receber jantares nem almoços. Nem sequer cocktails. Nos cinco espaços que podem ser cedidos para a realização de eventos (Corpo Central, Coro Alto, Sala Sul, Terraço e Adro), em nenhum deles é possível organizar jantares ou cocktails, estando previsto preçário apenas para a realização de eventos culturais, que vai desde os mil euros no Coro Alto e na Sala Sul aos cinco mil euros no Corpo Central, espaço com uma capacidade para 500 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.