Realismo social com a Troika em pano de fundo

"São Jorge", Marco Martins

As legendas inicial e final de São Jorge dão-nos um contexto histórico: o período da Troika em Portugal, com quase toda a gente a ser direta ou indiretamente atingida pelos ditames da austeridade.

A personagem central, um pugilista (Nuno Lopes) à deriva num mundo de pobreza e degradação social, seria um símbolo direto das tensões desse contexto. O certo é que o filme parece mais apostado em reduzir essa personagem a uma cópia dos tiques de um certo tipo de anti-herói de thrillers americanos do que em ilustrar, ou refletir sobre, as informações contidas nas legendas.

Obsessivo no detalhe até à facilidade maneirista, com uma evidente competência técnica de execução, o filme reflete as virtudes e limites de um realismo social que, em boa verdade, o cinema português sempre teve dificuldade em assumir.

Classificação: **

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.