Raro autorretrato de Picasso vai a leilão

Uma tela de Picasso, considerada um raro autorretrato do pintor, numa época em temia ser deportado pelas tropas nazis, será leiloada em Nova Iorque, pela Christie's, que estima chegar a 70 milhões de dólares (56 milhões de euros).

Este óleo sobre tela de 130 por 81 centímetros, intitulado Le Marin (O Marinheiro), apresenta um homem com um olhar triste, vestindo uma camisa listrada e sentado numa cadeira, descreve a agência noticiosa France Presse.

Segundo o site da leiloeira Christie's, Picasso disse: " não tenho dúvida que a guerra está nos quadros que fiz". A obra pertenceu à famosa coleção de arte de Victor e Sally Ganz. Foi comprado por 11 mil dólares em 1952 ao editor Harry Adams, refere a leiloeira.

"A imagem está num ambiente bastante escuro, nervosa, tensa e sombria", descreveu Conor Jordan, vice-presidente da secção de Arte Moderna e Impressionista da Christie's. A personagem no quadro está com a cabeça sobre a mão direita, "um símbolo tradicional de melancolia", acrescentou Jordan. A tela está exposta em Hong Kong até 03 de abril, antes de partir para Nova Iorque, onde será leiloada no dia 15 de maio.

Esta tela foi pintada por Pablo Picasso em 1943 quando vivia em Paris, cidade então ocupada por tropas alemãs. O pintor espanhol tinha medo de ser preso pela Gestapo, a polícia secreta nazi, e ser deportado para um campo de concentração. O quadro esteve exposto no Fine Arts Musem, em São Francisco, entre outubro de 1998 e janeiro de 1999 na exposição Picasso and The War: 1937-1945.

Em 2015, a pintura "A mulher de Argel (versão O)", de Picasso, foi arrematada por 179,4 milhões de dólares (146 milhões de euros) na Christie's, em Nova Iorque, tornando-se a pintura mais cara já vendida em leilão. Le Marin, obra prima da Segunda Guerra Mundial, deverá ficar no top five dos quadros de Picasso levados a leilão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?