Raduan Nassar vence Prémio Camões de 2016

Raduan Nassar sucede à autora portuguesa Hélia Correia, que venceu no ano passado.

Raduan Nassar é o escritor da língua portuguesa escolhido pelo júri como vencedor do Prémio Camões de 2016. O autor brasileiro está longe da ribalta há muitos anos, vivendo recluso numa quinta. Entre os poucos romances publicados destaca-se Lavoura Arcaica.

A escolha do seu nome surpreende devido à sua ausência da vida literária há duas décadas, mesmo que tenha sido um dos 13 finalistas da recente edição do Prémio Man Booker Internacional, onde, a par do angolano José Eduardo Agualusa, eram as duas únicas vozes de língua portuguesa.

A sua obra está publicada em Portugal pelas editoras Cotovia e Relógio D'Água, respetivamente A Menina a Caminho na primeira e O Copo de Cólera e Lavoura Arcaica na segunda, e é considerada uma das mais importantes da literatura brasileira contemporânea.

A atribuição do Prémio Camões a Nassar interrompe a habitual rotatividade entre autores de língua portuguesa. No ano passado foi a portuguesa Hélia Correia, no ano anterior ao brasileiro Alberto da Costa e Silva e antes ao moçambicano Mia Couto. Esperava-se por isso que esta edição distinguisse a carreira literária de um escritor africano. Uma rotatividade que não é oficial e que já antes tinha sido alterada.

O nome foi anunciado esta segunda-feira, numa conferência de imprensa com o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, e o júri desta 28.ª edição do concurso.

No ano passado a vencedora foi a portuguesa Hélia Correia e, em 2014, o prémio foi atribuído ao historiador e ensaísta brasileiro Alberto da Costa e Silva.

O Prémio Camões foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, para "consagrar anualmente um autor de língua portuguesa que, pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum".

Foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor Miguel Torga (1907-1995) e entre os 27 distinguidos há 11 portugueses e 11 brasileiros, tendo já sido também distinguidos um autor cabo-verdiano, Arménio Vieira, de 75 anos, em 2009, dois angolanos - Luandino, em 2006, e Pepetela, de 74 anos, em 2006 -, e dois moçambicanos, José Craveirinha (1922-2003), em 1991, e Mia Couto, de 61 anos, em 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...