Quincy Jones acusa Michael Jackson de plágio e diz que era mesquinho

Produtor participou na criação dos lendários álbuns "Thriller" e "Bad".

O célebre compositor e produtor discográfico Quincy Jones, responsável pelos maiores sucessos de Michael Jackson, acusou o rei da 'Pop' de ter plagiado várias das suas canções, entre as quais a famosa "Billie Jean".

"Não gosto de o dizer publicamente, mas Michael roubou muita coisa, ele roubou muitas canções", declarou o produtor de 84 anos, que participou na criação dos lendários álbuns "Thriller" e "Bad".

"Ele era tão maquiavélico como é possível ser-se", acrescentou, numa entrevista concedida ao 'site' Vulture, apontando o dedo às semelhanças entre "Billie Jean", cuja produção assegurou, e a canção "State of Independence", da rainha da 'Disco' Donna Summer, igualmente produzida por Quincy Jones e lançada alguns meses antes.

As semelhanças entre as duas canções não são evidentes, a não ser pelo facto de ambas assentarem em linhas de baixo executadas em sintetizador.

Quincy Jones acusou ainda Michael Jackson, que morreu em 2009, de ser "mesquinho", por se ter recusado a creditar o teclista Greg Phillinganes na sua canção "Don't Stop 'Til You Get Enough".

Aos 84 anos, Jones mantém-se em atividade no mundo da música e lançou recentemente um serviço de vídeo 'streaming' especializado em Jazz.

Noutra entrevista recente que deu, à revista GQ, o produtor também causou polémica, ao afirmar que tem 22 companheiras em todo o mundo, fala 26 línguas e fez um tratamento na Suécia que lhe permitirá viver até aos 110 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".