Quem vai levar a estatueta para casa? A matemática dá uma ajuda

Fórmula tem em conta os prémios recebidos, a quantidade de nomeações, as notas da crítica e dados do mercado de apostas

Os dias e semanas antes dos Óscares são marcados por previsões: quem vai ganhar (e quem merecia ganhar) são alvo de intenso debate em jornais, revistas e sites de todo o mundo, com mais ou menos sucesso. Para melhorar as suas hipóteses, a The Hollywood Reporter recorre a um matemático que usa uma fórmula baseada em dados e estatística.

Ben Zauzmer, licenciado em Matemática Aplicada em Harvard, tem em conta os prémios recebidos, a quantidade de nomeações, as notas da crítica e dados do mercado de apostas, cada um destes fatores com um peso ajustado, numa fórmula que tem experimentado ao longo dos últimos sete anos.

E pelas contas de Zauzmer, esta é a corrida mais renhida para Melhor Filme dos últimos anos, com A Forma da Água e Três Cartazes à Beira da Estrada muito perto: 36,1% contra 31%. De realçar que nas 89 edições dos Óscares, só quatro filmes venceram sem que o realizador também estivesse nomeado, o que é o caso do Três Cartazes - Argo foi o último. Os principais candidatos a protagonizar uma surpresa são Lady Bird, Dunkirk e Foge.

Por outro lado, Zauzmer considera que a categoria de Melhor realizador é fácil: Guillermo del Toro é o claro favorito (58,1%).

Quanto a Melhor Ator, este é o primeiro ano em que SAG, BAFTA, Globos de Ouro e Críticos escolheram todos o mesmo homem: Gary Oldman (A Hora Mais Negra) tem por isso 77,9% de probabilidades de levar o Óscar também. A estatueta de Melhor Atriz também já parece ter destino: Frances Mc Dormand (Três Cartazes à Beira da Estrada), com 75%.

Para Melhor Ator Secundário, o grande favorito é Sam Rockwell, do filme Três Cartazes à Beira da Estrada (74,8%). Allison Janney, a mãe da Tonya do filme I, Tonya, é a mais provável vencedora na categoria de Atriz Secundária (65,4%).

No Argumento Adaptado também há um "líder" destacado, o veterano e muito prestigiado James Ivory por Chama-me pelo Teu Nome (75%). No Argumento Original a corrida é mais interessante com Foge (36,6%) e Três Cartazes à Beira da Estrada (26,8%) destacados.

Em todas as categorias, a que tem o vencedor mais óbvio, segundo as contas de Zauzmer, é a de Melhor Filme Animado: Coco tem 85,1% de probabilidades de sair vencedor.

Agora resta esperar para ver se os votantes da Academia têm vontade de surpreender.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.