Quem vai levar a estatueta para casa? A matemática dá uma ajuda

Fórmula tem em conta os prémios recebidos, a quantidade de nomeações, as notas da crítica e dados do mercado de apostas

Os dias e semanas antes dos Óscares são marcados por previsões: quem vai ganhar (e quem merecia ganhar) são alvo de intenso debate em jornais, revistas e sites de todo o mundo, com mais ou menos sucesso. Para melhorar as suas hipóteses, a The Hollywood Reporter recorre a um matemático que usa uma fórmula baseada em dados e estatística.

Ben Zauzmer, licenciado em Matemática Aplicada em Harvard, tem em conta os prémios recebidos, a quantidade de nomeações, as notas da crítica e dados do mercado de apostas, cada um destes fatores com um peso ajustado, numa fórmula que tem experimentado ao longo dos últimos sete anos.

E pelas contas de Zauzmer, esta é a corrida mais renhida para Melhor Filme dos últimos anos, com A Forma da Água e Três Cartazes à Beira da Estrada muito perto: 36,1% contra 31%. De realçar que nas 89 edições dos Óscares, só quatro filmes venceram sem que o realizador também estivesse nomeado, o que é o caso do Três Cartazes - Argo foi o último. Os principais candidatos a protagonizar uma surpresa são Lady Bird, Dunkirk e Foge.

Por outro lado, Zauzmer considera que a categoria de Melhor realizador é fácil: Guillermo del Toro é o claro favorito (58,1%).

Quanto a Melhor Ator, este é o primeiro ano em que SAG, BAFTA, Globos de Ouro e Críticos escolheram todos o mesmo homem: Gary Oldman (A Hora Mais Negra) tem por isso 77,9% de probabilidades de levar o Óscar também. A estatueta de Melhor Atriz também já parece ter destino: Frances Mc Dormand (Três Cartazes à Beira da Estrada), com 75%.

Para Melhor Ator Secundário, o grande favorito é Sam Rockwell, do filme Três Cartazes à Beira da Estrada (74,8%). Allison Janney, a mãe da Tonya do filme I, Tonya, é a mais provável vencedora na categoria de Atriz Secundária (65,4%).

No Argumento Adaptado também há um "líder" destacado, o veterano e muito prestigiado James Ivory por Chama-me pelo Teu Nome (75%). No Argumento Original a corrida é mais interessante com Foge (36,6%) e Três Cartazes à Beira da Estrada (26,8%) destacados.

Em todas as categorias, a que tem o vencedor mais óbvio, segundo as contas de Zauzmer, é a de Melhor Filme Animado: Coco tem 85,1% de probabilidades de sair vencedor.

Agora resta esperar para ver se os votantes da Academia têm vontade de surpreender.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.