Quatro dias em grupo vestidos a rigor

Os fãs à séria chegam de todo o país vestidos a rigor em todos os dias do festival

Vêm de todos os lados os que invadem a Comic Con e mesmo que não se conheçam a proximidade das escolhas das roupas levam a criar grupos imediatamente. Estes jovens imitam alguns dos personagens da anime da série Yuri on Ice, que retrata os bastidores dos torneios mundiais de patinagem artística. Vieram do Barreiro, Corroios, Caldas da Rainha, Lisboa e Porto, e andam juntos desde o primeiro dia do evento. A parecença é tanta com os que imitam que muitos fãs fazem questão de tirar fotos com eles.

O objetivo, dizem, foi principalmente recriar o design desta arte de modo a permitir ua perfeita identificação com as personagens e parece que conseguiram. A única falha é não saberem falar a língua japonesa, mas de tanto verem os episódios na Internet já percebem muito do que é dito. Vieram para passar todos os dias na Comic Con e de cada vez trazem uma roupa diferente.

Na quinta-feira recordavam a série dos anos 60 Osomatsu-San e na sexta cada uma vestiu-se do que quis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.