Quatro dias de cultura pop com muita magia da ficção

Terceira edição ocupa toda a Exponor, com espaço para talentos, música e a presença de Lennie James de "The Walking Dead".

Luzes, câmara, ação... Amanhã, 8 de dezembro, Leça da Palmeira, em Matosinhos, volta a ser o destino de todos os que se interessam pela sétima arte e a ficção em geral, banda desenhada ou videojogos. Na Exponor e até domingo, mais um dia do que é habitual, a terceira edição da Comic Con Portugal abre as portas em pleno feriado, o que, para a organização, "significa um bom arranque".

O evento, que junta o melhor da indústria do entretenimento, entre artistas, produtores e empresas do segmento e ligadas à cultura pop, ocupa todos os pavilhões do centro de convenções, até porque "tem sido uma aposta sucessivamente ganha", lembrou ontem, na conferência de imprensa de apresentação, o vereador da cultura da Câmara de Matosinhos, Fernando Rocha, assumindo que desconfiou inicialmente do projeto "por parecer demasiado ambicioso". "Mas, mesmo assim, apostámos e, ao longo destes três anos, temos vindo a reforçar a nossa aposta, pois as expectativas têm sido superadas", acrescentou, lançando os dados para uma jornada longa com "mais de cem painéis e 200 convidados".

Sem querer revelar demasiado "para não estragar o fator surpresa para quem vai pela primeira vez", o diretor-geral do festival, Paulo Rocha Cardoso, adiantou que, "neste ano, um dos grandes temas será Harry Potter". Por isso, depois de o famoso carro do filme Regresso ao Futuro ter causado sensação entre os visitantes, desta vez será a magia criada por J.R. Rowling a atrair atenções. Domingo, já na reta final, pelas 18.30, Jason Isaacs (deu vida ao bajulador Lucius Malfoy) e Katie Leung (interpretou Cho Chang) têm conversa marcada com os fãs. Antes, Jason Isaacs ainda terá um momento a solo para partilhar o seu extenso currículo para além da série produzida pelos estúdios Warner. Por incompatibilidade de agenda, outro ator de Harry Potter, David Bradley, o mal-humorado Argus Filch, foi desviado da iniciativa. Um contratempo numa organização de meses mas que Paulo Rocha Cardoso desvalorizou, pois "ninguém vai ao evento por um talento específico". Afinal, "a experiência leva-nos a saber gerir as alterações que causem impacto nos visitantes", garantiu, seguro por um programa extenso e muito variado.

Nomes sonantes entre estreias

Em Leça vão estar também Cobie Smulders, de Foi Assim Que Aconteceu e Vingadores, Rila Fukushima, de Wolvernine e do recente Ghost in the Shell, Kevin Sussman, de A Teoria do Big Band, e Ivana Banquero, de Shannara Chronicles. Há ainda conferências dedicadas aos filmes Gremlins ou Refrigerantes e Canções de Amor, ao formato videojogo de Pokémon e outras ações com talentos da BD e ilustração nacional e internacional, além de muitas estreias exclusivas, como Valerian e a Cidade dos Mil Planetas. A produtora da série, Virginie Besson-Sillas, estará presente no domingo num momento com imagens únicas em antecipação da megaprodução inspirada na série de banda desenhada Valerian e Laureline, da autoria de Pierre Christin e Jean-Claude Mézieres.

Entre as novidades, surge o Espaço Spotlight "onde qualquer pessoa pode mostrar o seu talento, inscrevendo-se dentro de um horário livre, não devendo os trabalhos sair do ambiente do Comic Con", frisou Paulo Rocha Cardoso. Novidade também é a parceria com o mundo da música com o diretor artístico do Rock in Rio, Zé Ricardo, a partilhar conhecimentos amanhã, às 15.00.

Os bilhetes têm custos variados, sendo mais baratos se adquiridos até hoje. No local e a partir de amanhã, os preços vão dos 23,5 euros aos 25 (sábado e domingo). Crianças até aos 5 anos, acompanhadas pelos pais, não pagam e existe um passe diário para famílias (dois adultos e duas crianças entre os 6 e os 12 anos) no valor de 50 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.