Quase dois milhões visitaram o Castelo de São Jorge

Monumento mais procurado em Portugal atraiu em 2017 mais 197 480 visitantes. Nos espaços dirigidos pela DGPC a procura aumentou 8%

O Castelo de São Jorge, em Lisboa, mantém a liderança dos monumentos mais visitados em Portugal. Em 2017, foram 1 970 888 os visitantes que subiram ao castelo, um aumento de 11,1% em relação ao ano anterior. Nos museus, monumentos e palácios tutelados pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) a tendência foi igualmente de crescimento, tendo-se registado nos 23 espaços sob a sua gestão direta um aumento de 8%, num total que pela primeira vez ultrapassou a fasquia dos cinco milhões.

No caso do Castelo de São Jorge, fonte oficial da EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, responsável pelo monumento, adiantou ainda ao DN que 95,5% dos visitantes são estrangeiros.

Quanto aos dados ontem revelados pela DGPC, sublinhe-se que, olhando para os números dos últimos seis anos, a subida é bem mais acentuada. Entre 2012 e 2017, houve um acréscimo de 60% de entradas nos espaços tutelados pela DGPC. Esta tendência de crescimento é comum às três tipologias: museus, monumentos e palácios. Os Palácios Nacionais (Mafra e Ajuda) são os que mais cresceram de 2016 para 2017 em número de visitantes, verificando-se um aumento de cerca de 27%, percentagem para a qual contribuiu o aumento de 80% na Ajuda. No mesmo período, os monumentos registam um crescimento de 6,9%, destacando-se o acréscimo de 24,2% no Panteão Nacional, mas mantendo-se o Mosteiro dos Jerónimos como o mais visitado, com um total de 1 166 793 visitantes - mais 7,9% relativamente a 2016.

No caso da Torre de Belém verifica-se uma descida de 109 mil visitantes, menos 16% face a 2016. Este decréscimo reflete já a implementação de medidas de segurança "que levaram ao estabelecimento de um número máximo de entradas a partir do qual a visita é suspensa momentaneamente", explica nota da DGPC. A estas medidas de segurança para a salvaguarda do património junta-se uma outra: desde novembro de 2017 que a Torre de Belém foi retirada dos bilhetes conjuntos Circuito Descobertas e Praça do Império.

Quanto aos museus, que no total verificaram um aumento de 5,2%, é de destacar a subida de 69,6% no Museu do Chiado. Os 30 mil visitantes da exposição temporária dedicada a Amadeo de Souza-Cardoso ajudam a compreender este acréscimo. A liderança nos museus continua com o Museu Nacional dos Coches, com 350 mil visitantes, valor que, no entanto, reflete uma descida de 8,5% face a 2016. O mês em que esteve fechado para instalação da nova museografia (entre o final de abril e maio) pode ajudar a explicar esta variação em baixa.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.